Criança que nasceu com ‘meio’ coração desafia medicina e completa 3 anos

Uma bebê que foi desacreditada pelos médicos ainda na barriga da mãe completa, neste mês de março, três anos de vida. A família mora em Santos, no litoral de São Paulo, e a menina, que nasceu com apenas metade do coração, tem acompanhamento constante em um hospital de São Paulo, onde ela luta pela vida desde o nascimento.

A pequena Manuella Amaral, de dois anos, foi diagnosticada com síndrome da hipoplasia do coração esquerdo ainda na barriga da mãe, com poucos meses de gestação. Isso significa que o lado esquerdo do coração de Manuella não se desenvolveu completamente, deixando a menina com limitações e presa a um tratamento contínuo pelo resto da vida.

De acordo com o cardiologista William Costa, professor de Cardiologia do curso de Medicina da Universidade Metropolitana de Santos, a síndrome é uma doença rara. “Quando a pessoa tem esse problema, quer dizer que o lado esquerdo, que envia o sangue para todo o organismo, não funciona. Foi um desenvolvimento anormal desta cavidade do ventrículo esquerdo”, conta.

Em entrevista ao G1, o cardiologista explicou que a doença é diagnosticada em fase fetal, como foi a de Manuella, “Essa bomba propulsora atrofiada inviabiliza a vida. A criança precisa de cirurgia o mais precocemente possível. Muitas vezes, esses casos podem evoluir para o não desenvolvimento fetal e o bebê morre antes de nascer. Manuella faz parte de um grupo priveligiado e raro”, explica.

Aline conta que, depois das primeiras cirurgias, Manuella foi para casa e o tratamento continua, até hoje, com visita a cada três meses ao HCor. A menina vive como uma criança normal dentro de suas limitações. “Com quase três anos, ela começa a entender as dificuldades dela. Ela começa a brincar e fica cansada, então ela para, senta e descansa um pouco. Depois volta a brincar. Ela está aprendendo a lidar com os probleminhas”, explica a mãe.

Segundo a mãe, Manuella tem dificuldade no desenvolvimento da fala e, neste ano, entrará na escolinha em meio período para adaptação, mas a maior preocupação é sobre o tratamento da menina. “Liguei no HCor e não marcaram a próxima consulta pois disseram que estava suspensa a filantropia por tempo indeterminado. Não temos condições de arcar com esse tratamento de maneira particular.”

Aline e outras mães fizeram um abaixo assinado na internet pedindo o retorno da marcação das consultas e solicitando que o convênio filantrópico não seja encerrado. “Precisamos da ajuda de todos, a Manu é uma guerreira, mas precisa desse tratamento”, explica a mãe.

A Secretaria de Saúde de Santos informou que o atendimento de casos de cardiopatia congênita é serviço de alta complexidade de responsabilidade do Governo do Estado, que deverá buscar outro hospital especializado na rede SUS para a continuidade do tratamento da criança. Fonte www.g1.com.br

To Top
error: