Relatório do USDA pressiona soja e trigo em Chicago; milho tem leve alta

CHICAGO (Reuters) - Os contratos futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago tiveram uma leve variação negativa nesta quinta-feira, depois que o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) aumentou a sua previsão para os estoques finais norte-americanos de 2018/19 da oleaginosa mais do que o previsto por analistas, disseram operadores.

O mercado de trigo também recuou, pressionado por vendas técnicas e com uma elevação maior do que o esperada pelo USDA da projeção de estoques globais do cereal, enquanto os preços do milho registraram leves ganhos com o governo norte-americano cortando as estimativas para a produção, produtividade e estoques mais do que o esperado.

O contrato janeiro da soja recuou 0,50 centavo de dólar, para 8,79 dólares o bushel, após tocar 8,64 dólares, sua mínima em uma semana.

Os futuros foram pressionados depois que o USDA divulgou seu relatório mensal de oferta e demanda, no qual elevou a sua estimativa para os estoques norte-americanos finais de 2018/19 de soja para 955 milhões de bushels, ante 885 milhões anteriormente e acima das estimativas de analistas de 898 milhões.

O aumento reflete a queda na previsão das exportações norte-americanas, ligada às vendas reduzidas para a China, maior importador global da oleaginosa, em meio a guerra comercial sino-norte-americana.

O trigo de Chicago para dezembro perdeu 2,50 centavos de dólar, a 5,0775 dólares o bushel.

O contrato dezembro do milho avançou 1,25 centavos de dólar, para 3,7350 dólares o bushel, após recuar a 3,66 dólares, sua mínima desde 2 de novembro.

O USDA praticamente dobrou a sua previsão para os estoques finais globais de milho em 2018/19 para 307,51 milhões de toneladas, ante 159,35 milhões no mês passado, refletindo a revisão dos dados chineses sobre a produção de país nos últimos 10 anos.

(Por Julie Ingwersen)

Notícias em Destaque