Últimas Notícias

Bebianno afirma que não pretende pedir demissão

Fundação Pró-Sangue necessita de doações.

Pivô da mais recente crise envolvendo o núcleo do governo e os filhos do presidente, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, afirmou nesta quarta-feira, 13, que não pretende deixar o cargo. Bebianno confidenciou a amigos próximos que, se o presidente Jair Bolsonaro quiser que ele saia, terá de demiti-lo.

Ao jornal O Estado de S. Paulo, o ministro afirmou ter trabalhado desde o início para eleger Bolsonaro e por parlamentares do partido. “Não fui candidato. Não tenho interesse em nada. Eu trabalhei para eleger o presidente e, por consequência, acabei ajudando um monte de gente a ser eleita também”, afirmou o ministro, antes de Bolsonaro dizer à TV Record que o destino do auxiliar pode ser “voltar às origens”.

Na tentativa de mostrar como ajudou o PSL, Bebianno também citou a solução dada por ele para uma pendência do diretório estadual de São Paulo com a Justiça Eleitoral, que teria colocado em risco candidaturas do partido, como a do deputado federal Eduardo Bolsonaro, filho do presidente.

“Quem resolveu o problema de São Paulo? Fui eu. Montei uma equipe jurídica de primeira linha para resolver o problema na última semana. Se não fosse o meu trabalho, o (senador) Major Olímpio não teria sido eleito, o Eduardo Bolsonaro não teria sido eleito, nem a (deputada) Joice Hasselmann. Faço questão de dizer isso.”

Bebianno afirmou ainda que “ninguém de São Paulo teria sido eleito” porque não haveria nem mesmo legenda para os candidatos concorrerem. “Não teria havido convenção, formação de chapa. Então, o meu trabalho no partido resultou em benefício para todo mundo, menos para mim, que não sou candidato, não sou nada, não sou mais presidente (do partido), não sou político”, afirmou.

A preocupação no governo – de militares a civis – é a de que Bebianno deixe o cargo “atirando”. Auxiliares do presidente lembram que o chefe da Secretaria-Geral foi o principal coordenador da campanha de Bolsonaro e o responsável por tornar viável a entrada dele no PSL.

Durante a campanha, o agora ministro, que é advogado, não só comandou o partido como defendeu Bolsonaro em processos na Justiça Eleitoral.

Laranja

Questionado sobre suspeitas levantadas pelo jornal Folha de S.Paulo de que o PSL teria usado candidaturas laranjas nas eleições, Bebianno minimizou a denúncia. “Não me atinge. Não atinge o presidente. O presidente não usou dinheiro do partido nem do fundo eleitoral. Só usou dinheiro doado diretamente para ele, por meio de vaquinha virtual”, argumentou o ministro.

A crise fez o PSL montar uma estratégia para impedir que o tiroteio contamine votações no Congresso, principalmente a reforma da Previdência. O plano, porém, mostrou que a sigla continua dividida e o governo, bastante fragilizado.

Enquanto Joice Hasselmann afirmava que não pode haver um “puxadinho” da família do presidente com o Palácio do Planalto, o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), defendia a divulgação das divergências pelas redes sociais. “Aqui todo mundo fala as coisas na lata”, disse ele, tentando mostrar que o PSL vai imprimir um “novo estilo” na política.

Para Joice, porém, Carlos Bolsonaro abalou o governo do próprio pai ao fazer acusações contra Bebianno. “É uma coisa de louco. É inimaginável uma coisa dessas. Tem de ter separação. Casa do presidente é uma coisa, palácio é outra. Não pode ter puxadinho”, criticou a deputada. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tânia Monteiro e Vera Rosa, com colaboração de Mariana Haubert
Estadao Conteudo
Copyright © 2019 Estadão Conteúdo. Todos os direitos reservados.

To Top