Acidente

Emails da Vale apontam manipulação de laudo de estabilidade, diz Promotoria

Imagens obtidas com exclusividade pela TV Globo mostram o exato momento do rompimento da barragem 1 do Complexo da Mina Córrego do Feijão,

BELO HORIZONTE, MG (FOLHAPRESS) – Funcionários da Vale e da empresa alemã Tüv Süd agiram em conluio para “torturar os números” e mascarar a condição crítica da barragem 1 do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), assumindo os riscos de morte, segundo o Ministério Público de Minas Gerais.

Segundo promotores de uma força-tarefa montada para investigar a tragédia, é isso que apontam e-mails encontrados em equipamentos apreendidos. A barragem se rompeu em 25 de janeiro deixando ao menos 166 mortos. O número pode subir para 310, dado que ainda há desaparecidos.

Nesta sexta-feira (15), oito funcionários da Vale foram presos pelo núcleo do eixo criminal das investigações, na segunda fase de operações. Foram ainda cumpridos mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro e em São Paulo.

“Nessa sequência de emails, que virão a público em breve, percebe-se uma intensa articulação e um grande esforço para torturar os números de forma que a situação crítica da barragem não refletisse numa declaração negativa de estabilidade”, afirmou o promotor William Garcia Pinto Coelho.

Em um dos e-mails encontrados em equipamentos apreendidos na primeira fase da operação, um funcionário da empresa alemã Tüv Süd menciona de forma expressa que a Vale estaria pressionando a empresa para atestar a estabilidade da barragem. O trecho está na decisão judicial que autorizou as prisões.

O engenheiro Makoto Namba, da Tüv Süd, que assinou o laudo de estabilidade, escreveu a Arsênio Negro Jr., Vinícius da Mota Wedekin e Marlísio Cecílio, engenheiros da mesma empresa, em 13 de maio do ano passado que “tudo indica que não passará, ou seja, fator de segurança para a seção de maior altura será inferior ao mínimo de 1.3, Dessa maneira, a rigor, não podemos assinar a Declaração de Condição de Estabilidade da barragem, que tem como consequência a paralisação imediata de todas as atividades da mina Córrego do Feijão.” O email continua: “Mas como sempre a Vale irá nos jogar contra a parede e perguntar: e se não passar, irão assinar ou não?”

Uma mensagem de outro funcionário diz que a Vale estaria usando a promessa de contratos futuros para conseguir o laudo positivo, segundo o Ministério Público. De acordo com Garcia, ele usa a palavra “blackmail”, chantagem em inglês, para afirmar isso.

A Promotoria afirma ainda que documentos apreendidos na Vale, nas empresas contratadas e documentos pessoais dos funcionários comprovam que havia uma interlocução constante entre a mineradora e a empresa responsável pelo laudo, desde antes do rompimento. O objetivo seria combinar uma forma de disfarçar a situação real da estrutura.

Entre o volume de provas que ainda será analisado estão mensagens de texto, de voz e conversas de WhatsApp que foram trocadas entre funcionários das empresas. A força-tarefa busca esclarecer como funcionava o fluxo da tomada de decisões dentro da Vale e até que ponto a alta cúpula da empresa tinha conhecimento dos riscos em Brumadinho.

Entre o material apreendido na sede da Vale, no Rio de Janeiro, está o HD de um notebook da secretaria do conselho administrativo da mineradora.

“Não temos a menor dúvida que as oito pessoas presas hoje sabiam do risco de ruptura e poderiam ter intervido”, afirmou o delegado Bruno Tasca, do Departamento de Crimes Ambientais da Polícia Civil, que executou parte das prisões em Belo Horizonte.

Apenas dois dos presos foram ouvidos nesta sexta: Felipe Figueiredo Rocha, da gerência Gestão de Riscos e de Estruturas Geotécnicas Ferrosas, e Cristina Heloíza da Silva Malheiros, responsável pelo monitoramento in loco da barragem.

Os demais presos serão ouvidos na próxima semana. Os homens serão encaminhados à Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, e as mulheres à Penitenciária Estevão Pinto, na própria capital mineira.

O juiz Rodrigo Heleno Chaves, que autorizou a prisão dos funcionários da Vale, indeferiu o pedido de prisão temporária de quatro funcionários da Tüv Süd. A Promotoria ainda avalia se irá ingressar com recurso.

Quatro dias depois da tragédia, no dia 29 de janeiro, foram detidos para depoimentos os engenheiros André Yum Yassuda e Makoto Namba, da Tüv Süd, e César Augusto Paulino Grandchamp, Ricardo de Oliveira e Rodrigo Arthur Gomes, funcionários da Vale. Depois de dez dias presos, eles foram liberados no dia 7.

Em nota, a Vale disse que “está colaborando plenamente com as autoridades e permanecerá contribuindo com as investigações para a apuração dos fatos, juntamente com o apoio incondicional às famílias atingidas.”

A Tüv Süd não respondeu à reportagem.

To Top