Brasil

Flamengo: Defensoria Pública diz que falta acordo sobre valores

Um incêndio atingiu o Ninho do Urubu, centro de treinamento do Flamengo, na manhã desta sexta-feira (8), no Rio de Janeiro. O incêndio já foi controlado

A tentativa de firmar um Termo de Ajustamento de Conduta, estabelecendo valores mínimos de indenização para os familiares e vítimas do incêndio no Centro de Treinamento (CT) do Flamengo, no Ninho do Urubu, no Rio de Janeiro, foi frustrada. Segundo o clube, houve divergência à definição dos valores de indenização e pensão para os parentes dos dez atletas mortos na tragédia.

As informações sobre a negociação foram detalhadas hoje (20) pela Defensoria Pública do Estado do Rio de Janeiro e pelo Ministério Público do Trabalho, que integram a Câmara de Conciliação que se dedica ao caso junto com o Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro.

Os órgãos propuseram que o clube pagasse uma indenização de R$ 2 milhões a cada um dos núcleos familiares das vítimas fatais do incêndio. Além disso, o clube deveria pagar uma pensão mensal de R$ 10 mil a cada uma dessas famílias, até a data em que as vítimas completariam 45 anos.

Recusa

O Flamengo recusou o acordo oferecendo indenizações por danos morais ao menos cinco vezes menores. Segundo o MPT e a Defensoria, o clube propôs pagar entre R$ 300 mil e R$ 400 mil a cada família das vítimas fatais, além do pagamento de um salário mínimo a cada uma das famílias, por um período de dez anos.

A procuradora do Ministério Público do Trabalho, Danielle Cramer, disse que o cálculo da Câmara de Conciliação levou em conta uma carreira longeva no futebol e a expectativa de remuneração dos atletas, que atuavam na base de um clube grande do Rio de Janeiro.

“Seriam parâmetros mínimos que poderiam ser negociados individualmente por cada uma das famílias, levando-se em conta questões particulares. Mas, a gente gostaria que a negociação partisse desses valores”.

Diferenças

A diferença é ainda maior para o pensionamento. Somada, essa pensão pagaria cerca de R$ 120 mil às famílias em 120 meses (10 anos), se considerado o valor atual do salário mínimo, de R$ 998.

Se fossem aplicados os valores propostos pela câmara de conciliação, que calcula que a média de idade das vítimas era de 15 anos, cada família receberia cerca de R$ 3,6 milhões de pensão nos próximos 30 anos (360 meses), valor que não incluiria a indenização de R$ 2 milhões pelos danos morais causados pela tragédia.

A subdefensora pública-geral do estado do Rio de Janeiro, Pamola Lamego, afirmou que os valores oferecidos pelo clube são “inaceitáveis”, ainda mais se considerado que o Termo de Ajustamento de Conduta pretendia estabelecer valores mínimos.

Paloma Lamego contou que, em relação aos atletas feridos no incêndio e aos que escaparam sem ferimentos, os valores oferecidos pelo clube e pela câmara foram muito próximos.

“Sob esse aspecto, o acordo poderia ter saído. A maior dificuldade foi estabelecer com o clube o parâmetro mínimo no pensionamento dos familiares dos atletas falecidos. Esse foi o maior nó no acordo”, disse a defensora, que vai continuar à disposição das famílias para participar das negociações, que agora vão ocorrer de forma individual. O MPT também se colocou à disposição dos familiares para propor ações coletivas contra o clube.

Flamengo

Em nota divulgada à imprensa, o Flamengo informou que haverá mediação via Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro coordenada por um desembargador. Segundo o clube, autoridades estão convidadas.

A direção do clube afirmou que “irá instaurar procedimento de mediação no Núcleo de Mediação do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, coordenado pelo Desembargador Cesar Cury, e para o qual convidará as famílias – e deixando claro que as autoridades também serão convidadas”.

O Flamengo informou que não foi fechado o acordo por falta de consenso sobre valores. Segundo o clube, foi oferecido “um valor que está acima dos padrões que são adotados pela Justiça brasileira”.

“O Flamengo teve o cuidado de oferecer valores maiores dos que estão sendo estipulados em casos similares, como, por exemplo, o incêndio da boate Kiss, ocorrido em 2013. Até hoje, vale lembrar, famílias não receberam a indenização”, diz a nota.

Sobrevivente

ùnido dos três sobreviventes do incêndio que atingiu o alojamento do CT no último dia 8, que segue internacio, o quadro clínico do jogador da categoria de base do Flamengo Jhonata Ventura apresenta boa evolução e segue estável.

Segundo o boletim médico divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) do Rio de Janeiro, o atleta, respira sem ajuda de aparelhos e faz fisioterapia motora e respiratória. Jhonata recebe antibióticos e a alimentação é por meio de dieta.

Ainda conforme a SMS,pela manhã, o jogador passou por um novo banho das lesões com troca de curativos, quando a equipe médica constou boa resposta evolutiva das lesões ao tratamento instituído.

O atleta está sob cuidados do Centro de Tratamento de Queimados (CTQ) do Hospital Municipal Pedro II, em Santa Cruz, zona oeste do Rio. Jhonata teve 30% do corpo queimado na tragédia.

O jogador foi um dos três sobreviventes que foram internados logo após o incêndio. Cauan Emanuel e Francisco Dyogo já receberam alta do Hospital Vitória, na Barra da Tijuca, na mesma região e estão com as famílias.

*Com informações da repórter da Agência Brasil Cristina Indio do Brasil, do Rio de Janeiro.

To Top