Internacional

Jornalista de TV americana conta como foi expulso da Venezuela após irritar Maduro em entrevista

União Europeia diz que intervenção militar na Venezuela deve ser evitada

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – O jornalista Jorge Ramos, âncora da Univisión, emissora de TV dos EUA com programação voltada para a comunidade hispano-americana, narrou em sua coluna no jornal The New York Times detalhes de sua expulsão da Venezuela, ocorrida na terça-feira (26), após uma tentativa de entrevistar o ditador Nicolás Maduro.

O jornalista conta que iniciou a entrevista no palácio presidencial questionando Maduro sobre seu status de ditador. Em seguida, confrontou-o com perguntas sobre violações de direitos humanos, casos de tortura e prisões políticas no país.

“Questionei sua alegação de que havia vencido as eleições de 2013 e 2018 sem fraude e, o mais importante, suas garantias de que a Venezuela não estava passando por uma crise humanitária”, relata.

Quando mostrou a Maduro um vídeo de três jovens venezuelanos procurando comida em um caminhão de lixo, “o ditador explodiu” e encerrou a conversa, afirmou Ramos. A ideia era contrapor com imagens a versão oficial do governo, de que a Venezuela era um país próspero e progressista.

Agentes de segurança confiscaram as quatro câmeras e os cartões de memória da equipe, nos quais estava gravada a entrevista. Ramos e a produtora María Martínez foram levados a uma sala, onde os seguranças pediram ao jornalista que entregasse seu celular. Quando ele recusou fazê-lo, os agentes tomaram o aparelho e os demais pertences de Martínez, revistando em seguida ele e a produtora.

Momentos antes, porém, Martínez havia conseguido ligar para o presidente da Univisión News, Daniel Coronell, que advertiu o Departamento de Estado dos EUA e anunciou aos meios de comunicação o que acontecera. Depois de o ocorrido se tornar público, os seguranças acabaram liberando Ramos e sua equipe.

No dia seguinte, eles foram expulsos do país. O celular do jornalista foi devolvido com todo o conteúdo apagado. Em seu depoimento ao Times, ele disse que o que viveram “foi apenas uma pequena amostra do assédio e abuso sofridos durante anos pelos jornalistas venezuelanos”.

“O que teme Maduro? Ele deveria permitir que o mundo visse a entrevista. Se não o fizer, só terá provado que se comporta precisamente como um ditador”, declarou o jornalista.

Essa não é a primeira vez que o âncora incomoda políticos.

Em 2015, durante um evento da campanha de Donald Trump para a presidência, o jornalista confrontou o então candidato, dizendo que seu plano de imigração -que incluía deportar estrangeiros sem documentação e dar um fim ao direito à cidadania a todos os que nascem nos EUA- era “repleto de promessas vazias”.

Na ocasião, seguranças chegaram a retirar Ramos do evento. Trump qualificou o âncora, que tem origem mexicana, de “uma pessoa muito emotiva” e disse que o jornalista “estava vociferando e delirando como um louco” durante a coletiva.

To Top