Últimas Notícias

Chegada a Congonhas tem filas e confusão após mudança

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Prefeitura de São Paulo iniciou nesta sexta-feira (15) um novo modelo de embarque e desembarque de carros no aeroporto de Congonhas, na zona sul da cidade. O primeiro dia, porém, foi de stress entre os motoristas e passageiros. Diversos deles chegaram a perder seus voos.

O objetivo da mudança é aumentar a fluidez dos veículos que chegam e partem do terminal aéreo e minimizar o congestionamento nas avenidas 23 de Maio, Moreira Guimarães e Washington Luís. A mudança é tratada como um projeto piloto pela gestão Bruno Covas (PSDB).


Pela nova organização, os carros de aplicativos e carros particulares que queiram pegar passageiros devem parar no piso inferior do aeroporto. O desembarque de passageiros por esses veículos deve ser feito no piso superior.

Já os táxis podem embarcar e desembarcar no piso superior. Ainda assim, os taxistas têm cinco vagas também no piso inferior. Os táxis ficaram mais também visíveis ao passageiro que sai do terminal de desembarque e logo vê uma fila de veículos disponíveis.

Companhias aéreas chegaram a alertar passageiros para que chegassem mais cedo ao aeroporto por causa de eventuais transtornos. Segundo o Uber, o tempo de espera por motoristas em Congonhas chegou a aumentar até 300% nesta sexta.

A mudança parece ter sido decidida de última hora, pois falta sinalização dentro do aeroporto. Até a manhã desta sexta, sinalização da Uber indicava que seus clientes deveriam esperar os carros onde hoje teoricamente não é mais autorizado pegar passageiros.

A psicóloga Arlene Nunes, 43, foi uma das que seguiu a antiga sinalização da empresa de aplicativos até uma área só dedicada a desembarque.

Ela foi para o novo local de embarque de aplicativos, mas mesmo assim, no início da tarde, já estava há praticamente uma hora esperando pelo carro. "O aplicativo escolhe motoristas que estão sempre longe daqui e os motoristas cancelam ou passam reto", diz ela.

Na tela do celular, o aplicativo indicava que o motorista demoraria 24 minutos. "Estou conversando com ele para que ele não cancele."

Do lado de fora de Congonhas, a principal avenida de acesso ao aeroporto, a Washington Luís, estava completamente congestionada, numa sexta-feira tipicamente crítica para o trânsito da cidade e para o movimento de passageiros em Congonhas.

[yuzo_related]

A comissária de bordo Mariana Palos desistiu de seguir a nova orientação da prefeitura e pegou sua corrida no piso superior, agora destinado a desembarque. "Lá embaixo está um caos e os motoristas acabam passando aqui em cima. Então, só aqui vou conseguir pegar um carro".

A reportagem viu outros carros de aplicativos pegando passageiros em locais destinados apenas a desembarque. A prefeitura diz que inicialmente fará a orientação, mas que poderá multar a atitude.

Também esperando um carro de aplicativo, George Heringer, 49, reclamava do quarto motorista que desistia de sua corrida. Ele desistiu do aplicativo e optou por uma viagem de táxi, sem espera.

Ele não foi o único. Ismael Nogueira, 56, presidente da Rádio Táxi Vermelho e Branco, disse ter notado um aumento da procura pelo serviço diante da dificuldade de conseguir corridas por aplicativos. "Mas acho que conforme o passageiro se adaptar, essa busca volta a equilibrar", disse.

A enfermeira Jannara Cunha teve que atravessar a passarela sobre a avenida Washington Luís, seguindo para o lado oposto a Congonhas. O motorista de sua corrida havia orientado que ela saísse do aeroporto ou não conseguiria buscá-la.

Foi também no lado oposto da Washington Luís que o motorista Ronaldo Miranda, 33, deixou dois passageiros na manhã desta sexta. "Estava impossível entrar na fila do aeroporto. Tive que deixar do outro lado da avenida mesmo. Depois recusei três corridas de passageiro que estava dentro do aeroporto", disse.

A Uber disse não ter sido avisada com antecedência das mudanças pela prefeitura.

A prefeitura informou que anunciou que alteraria o padrão de embarque e desembarque na região na quarta-feira (13). A gestão Covas que fez o anúncio por avisos à imprensa e publicações no site e nas redes sociais da Secretaria Municipal de Transportes, da CET e da prefeitura.

To Top