Latin America

Mourão discute pressão contra Venezuela com vice-presidente dos EUA

Mourão discute pressão contra Venezuela com vice-presidente dos EUA

Por Roberta Rampton

WASHINGTON (Reuters) – Mourão discute pressão contra Venezuela com vice-presidente dos EUA. O vice-presidente Hamilton Mourão se encontrou com o vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, na Casa Branca nesta segunda-feira para discutir sanções e esforços diplomáticos visando aumentar a pressão pela saída do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro.

Em sua primeira conversa com Mourão, Pence tentou encorajar o general da reserva a usar sua experiência e influência para pedir que líderes militares da Venezuela –assim como da China e da Rússia– retirem seu apoio a Maduro, segundo autoridade da Casa Branca.

Os Estados Unidos, o Brasil e maior parte dos países do Ocidente têm apoiado o líder da oposição venezuelana, Juan Guaidó, que se declarou presidente interino do país em janeiro, afirmando que a reeleição de Maduro em 2018 foi ilegítima.

Maduro –que é apoiado pela Rússia, China e mantém controle das funções estatais e das Forças Armadas venezuelanas– tem retratado Guaidó como um fantoche dos Estados Unidos.

Guaidó ofereceu anistia a militares que ficarem do seu lado, mas o alto escalão das Forças Armadas tem mantido em grande parte o apoio a Maduro.

Mourão, que foi adido militar em Caracas, “tem uma perspectiva muito única” no que se refere a ajudar a convencer líderes militares venezuelanos a trocarem de lado, disse a autoridade da Casa Branca sob condição de anonimato.

“Ele fala com uma credibilidade única de dentro da região como um líder político graduado com um histórico militar. Essa voz é muito importante, e ele está usando essa voz para avançar a causa”, disse a autoridade.

Mourão também está em uma boa posição para confrontar a Rússia e a China por seu apoio a Maduro, uma vez que o Brasil é um parceiro dos dois países no grupo de economias emergentes Brics, disse a autoridade.

Os Estados Unidos impuseram sanções contra a petrolífera estatal venezuelana PDVSA em janeiro, visando cortar as receitas de petróleo do governo Maduro, além de penalizar transportadoras e bancos venezuelanos e indivíduos ligados a Maduro.

A Casa Branca gostaria que aliados como o Brasil tomassem medidas econômicas semelhantes para isolar a Venezuela, segundo a autoridade.

tagreuters.com2019binary_LYNXNPEF3720F-VIEWIMAGE

To Top