Asia

Açúcar bruto e café arábica despencam na ICE com fraqueza do real

NOVA YORK/LONDRES (Reuters) – Os contratos futuros do açúcar bruto na ICE despencaram nesta sexta-feira para suas mínimas em 7 meses e meio, seguindo a fraqueza no real e com o encerramento da Semana do Açúcar em Nova York, que terminou sem gerar sentimentos altistas no mercado, disseram operadores.

Nesta sexta-feira, a moeda brasileira se desvalorizou e chegou a tocar 4,10 reais por dólar pela primeira vez em oito meses, em meio a crescentes preocupações de investidores com a economia e a capacidade do governo de conduzir sua agenda de reformas pelo Congresso.

Um real mais fraco impulsiona retornos em moeda local para commodities precificadas em dólar e, assim, estimula as vendas por produtores, o que levou também os futuros do café para baixo.

AÇÚCAR:

* O contrato julho do açúcar bruto fechou em queda de 0,23 centavo de dólar, ou 2%, a 11,55 centavos de dólar por libra-peso, após cair até 11,43 centavos, menor nível desde 1º de outubro.

* Na semana, o contrato cedeu 1,5%, sua quarta queda semanal consecutiva.

* Segundo operadores, os preços foram empurrados para baixo pela fraqueza no real.

* O sentimento baixista deixado pela Semana do Açúcar de Nova York também não ajudou, disseram operadores. Embora no passado o evento tenha ajudado a melhorar humores e levantar os preços temporariamente, neste ano muitas discussões foram focadas nas expectativas de que uma queda da produção mundial no próximo ano deve ser compensada pelos elevados estoques.

* O contrato agosto do açúcar branco fechou em queda de 4,10 dólares, ou 1,3%, a 321,50 dólares por tonelada, após atingir 318,40 dólares, também mínima desde 1º de outubro.

CAFÉ:

* O contrato julho do café arábica fechou em queda de 2,65 centavos de dólar, ou 2,9%, a 89 centavos de dólar por libra-peso, após bater mínima de uma semana de 88,45 centavos.

* O vencimento recuou quase 2% nesta semana, seu sétimo fechamento semanal negativo em dez, pressionado pelos amplos estoques mundiais e pela fraqueza no real.

* “Se você procurar um argumento altista, vai ter dificuldades para encontrar”, disse um operador, acrescentando que a deterioração do cenário econômico no Brasil pode desencadear novas quedas no real.

* O contrato julho do café robusta fechou em queda de 34 dólares, ou 2,6%, a 1.301 dólares por tonelada, após mínima de 1.292 dólares.

* O robusta perdeu 4,6% nesta semana, seu oitavo fechamento semanal negativo nos últimos dez.

(Reportagem de Ayenat Mersie em Nova York e Nigel Hunt em Londres)

tagreuters.com2019binary_LYNXNPEF4G1UT-BASEIMAGE

To Top