Benefícios

CAIXA reduz taxas do crédito imobiliário

Logo da Caixa Econômica Federal no centro do Rio de

A Caixa anunciou, nesta quarta-feira (5) a redução das taxas de juros para financiamentos habitacionais. A medida foi anunciada em coletiva de imprensa realizada no Edifício Matriz da Caixa em Brasília, e promete reaquecer o mercado imobiliário.

A taxa mínima para imóveis residenciais enquadrados no Sistema Financeiro de Habitação (SFH) e Sistema Financeiro Imobiliário (SFI) será de 8,5% a.a. e a máxima de 9,75% a.a. As novas taxas já começam a valer na próxima segunda-feira, 10 de junho. “A taxa mínima estava a 9,75% pelo SFI e 11% na taxa balcão, e a Caixa vinha perdendo mercado, e nós estamos corrigindo essa defasagem”, observou o presidente Pedro Guimarães.

ANTERIOR ATUAL
SFH¹ TR + 8,75% TR + 8,5%
SFI² TR + 9,75% TR + 8,5%
BalcãoSem Relacionamento TR + 11,00% TR + 9,75%

1 imóveis residenciais de valor até R$ 1,5 milhão com possibilidade de utilização do FGTS

2 Imóveis residenciais e comerciais desenquadrados do SFH, sem limite de valor

“A grande mensagem é que nós estamos eliminando as distorções, para não ter o tratamento diferenciado em categorias de renda”, destacou o presidente. A partir de 10 de junho, tanto para o SFH, que tem a utilização do FGTS pelo tomador, quanto no financiamento pelo SFI, a taxa mínima será de 8,5 % + TR.

Novas medidas para as próximas semanas

Na coletiva para os jornalistas, o presidente ainda anunciou duas novidades para o crédito imobiliário, previstas para entrar em prática de duas a três semanas: a opção de escolha pelos tomadores entre a indexação pela TR ou IPCA e a opção de financiar pela SAC ou Price.

Até o momento, a Caixa apenas trabalha com a indexação por TR, que é determinada pelo Ministério da Economia, portanto volúvel quando se trata de um financiamento a longo prazo como é o habitacional, explicou Pedro Guimarães.

Quanto a opção de financiar pela tabela Price, estará disponível conforme avaliação de crédito. A vantagem da tabela Price é começar a pagar prestações menores, que vão subindo gradativamente. Essa medida visa atender a uma expectativa de aumento de renda do cliente no decorrer dos anos. “Isso é uma demanda dos construtores, que nós percebemos ao ouvir vários empresários com as visitas do Caixa Mais Brasil, é uma demanda importante, do mercado”.

Na ocasião, o presidente reafirmou o compromisso com a continuidade dos programas habitacionais para a classe baixa. “A Caixa Econômica Federal vai continuar com foco na classe baixa. Não existe descontinuidade do Minha Casa Minha Vida”, afirmou.

VEJA TAMBÉM

To Top