Economy

Favorito para suceder premiê britânica, Johnson promete cortar impostos

Por William James e Elizabeth Piper

LONDRES (Reuters) – Defensor destacado da separação britânica da União Europeia, Boris Johnson prometeu cortar impostos dos que ganham mais, caso se torne o próximo primeiro-ministro do Reino Unido agora que a corrida para suceder Theresa May –e assumir o Brexit– começou oficialmente nesta segunda-feira.

May renunciou à liderança do governista Partido Conservador na sexta-feira, tendo fracassado três vezes na tentativa de obter o apoio do Parlamento a uma desfiliação da UE que deveria solucionar a maior crise política britânica em uma geração.

As candidaturas devem ser registradas até esta segunda-feira, e cada um dos 11 candidatos declarados precisa angariar ao menos oito apoiadores entre os mais de 300 parlamentares conservadores eleitos.

Vários concorrentes parecem incapazes disso, e uma votação no final desta semana reduzirá o páreo ainda mais.

Diversos deles expuseram suas plataformas no lançamento de suas campanhas nesta segunda-feira –e embora todos tenham mostrado disposição para estabelecer uma agenda doméstica, foi o Brexit que dominou.

Quase todos prometerem que conseguem solucionar a charada do Brexit –que derrotou May após três anos de conversas com a UE– em meros três meses, entre a escolha do novo líder, no final de julho, e o prazo atual de saída de 31 de outubro.

“Sem o Brexit, não haverá um governo conservador e talvez nem um Partido Conservador”, disse o secretário das Relações Exteriores, Jeremy Hunt, no lançamento de sua campanha. “Das minhas conversas com líderes europeus, está claro para mim que existe um acordo a ser feito; eles querem que apresentemos propostas.”

Dominic Raab, que foi ministro do Brexit e saiu por rejeitar o acordo de saída de May, disse que ele também poderia conseguir um novo pacto, mas prometeu que o Reino Unido deixará o bloco em 31 de outubro, mesmo que isso signifique regredir para os termos comerciais básicos da Organização Mundial do Comércio (OMC).

As diferenças entre os candidatos refletem a desunião dos conservadores na questão, o que significa que, três anos após 52% do país decidir pela ruptura com a UE, continua incerto como, quando ou até se esta ocorrerá.

A incerteza afetou a economia britânica, que encolheu 0,4% em abril, mostraram cifras oficiais nesta segunda-feira –um recuo maior do que qualquer economista previu em uma pesquisa realizada pela Reuters na semana passada.

(Reportagem adicional de Kate Holton)

tagreuters.com2019binary_LYNXNPEF59187-VIEWIMAGE

To Top