Ações de recuperação de imóveis do Minha Casa Minha Vida
Benefícios

Ações de recuperação de imóveis do Minha Casa Minha Vida

portalmixvalenoticias

Ações de recuperação de imóveis do Minha Casa Minha Vida. O Ministério Público Federal ajuizou uma ação para que a Caixa Econômica Federal recupere mais rapidamente os imóveis do Minha Casa Minha Vida que estão em situação irregular. De acordo com o MPF, a demora no processo de regularização pela Caixa faz com que esses imóveis deixem de ser destinados às famílias a quem o programa de fato deveria atender.

A ação foi proposta pela Procuradoria da República no município de Itapeva, em São Paulo, onde dois empreendimentos do Minha Casa Minha Vida são objeto de investigações e ações judiciais do MPF desde 2015. O Residencial das Rosas e o Residencial Morada do Bosque reúnem quase 1,5 mil moradias, mas boa parte delas está desocupada ou em uso por pessoas sem credenciamento no programa. O MPF estima que só no segundo conjunto habitacional, cerca de 10% das unidades estejam em situação irregular.

Entre as mudanças que o Ministério Público Federal exige da Caixa está a recuperação mais rápida dos imóveis cujos contratos foram rescindidos. Atualmente, segundo o MPF, o banco retoma a unidade e a destina a outro beneficiário somente após o proprietário anterior comunicar a intenção de devolvê-la, quitar despesas de água e energia elétrica e parcelas do financiamento eventualmente em atraso, realizar reparos e saldar os custos cartoriais.

Outra mudança que o MPF requisita refere-se aos casos de uso ilegal dos imóveis, a exemplo da venda e do aluguel a terceiros antes do fim do contrato, o que é proibido pelas regras do Minha Casa Minha Vida. Segundo os pedidos da Procuradoria, a Caixa deve intimar o proprietário original apenas uma vez para que o problema seja resolvido. Caso o titular apresente documentos que indiquem a regularidade da situação, a instituição deve ainda solicitar à Prefeitura uma vistoria presencial para certificar que a unidade é mesmo ocupada pela família contemplada.

Hoje, ao tomar ciência de que um imóvel foi alienado ilegalmente, o banco exige a notificação pessoal do proprietário, independentemente do tempo que leve para encontrá-lo. Uma segunda intimação é expedida caso as irregularidades se mantenham. Além disso, segundo os trâmites atuais, a mera apresentação de um comprovante de residência do titular que indique a ocupação do imóvel é suficiente para considerar regularizada a situação – embora pratique crime de falsidade ideológica aquele que preste informações falsas à Caixa.

Para o procurador da República Ricardo Tadeu Sampaio, autor da ação, “fica evidente a lesão ao interesse público decorrente da existência de dezenas de unidades habitacionais vazias ou irregularmente ocupadas, de um lado, e, de outro, a existência de dezenas de famílias carentes que aguardam ser contempladas para ter acesso a seu direito fundamental à moradia”.

Segundo o Ministério Público Federal, representantes da Caixa reconheceram em reunião com a Procuradoria a necessidade de alterações nas rotinas internas para dar mais agilidade à recuperação dos imóveis, mas se recusaram a firmar um Termo de Ajustamento de Conduta que formalizasse o compromisso de providenciar as mudanças.

Em nota, a Caixa Econômica Federal informou à reportagem que ainda não foi notificada do ajuizamento da ação.

To Top