Últimas Notícias

Governo corta projeção de alta do PIB em 2019 de 1,6% para 0,81%

Últimas notícias - Portal de Notícias Mix Vale com os principais acontecimentos do Brasil e do Mundo

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O governo cortou pela metade a previsão oficial de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) para 2019, de 1,6% para 0,81%. A medida reduz a projeção de arrecadação, dificulta o cumprimento da meta fiscal do ano e pode forçar a equipe econômica a fazer novo bloqueio no Orçamento.

Essa é a terceira reavaliação para baixo feita pelo governo para calcular a execução das contas federais. O orçamento de 2019 foi elaborado no meio de 2018 e trazia, inicialmente, uma previsão de crescimento de 2,5%.

Em março, o Executivo cortou a projeção para 2,2%. Depois, fez novo corte em maio, para 1,6%. O novo corte foi antecipado pelo jornal Folha de S,Paulo.

Normalmente, as projeções do governo para o PIB são tornadas públicas a cada dois meses nos relatórios bimestrais de avaliação de receitas e despesas.

Agora, o governo mudou a forma de divulgação e apresentou os parâmetros semanas antes da apresentação do relatório para deixar o número mais próximo do que é calculado por analistas de mercado.

De acordo com o boletim Focus, divulgado pelo Banco Central na segunda-feira (8), a expectativa do mercado é de um crescimento do PIB de 0,82% neste ano.

A reavaliação feita pelo governo aponta para a necessidade de um novo contingenciamento de recursos neste ano. A decisão final será divulgada no dia 22 deste mês, quando o relatório bimestral será divulgado.

Em março, o governo teve de anunciar um bloqueio de aproximadamente R$ 30 bilhões na verba dos ministérios.

Após uma onda de protestos contra cortes em universidades, a equipe econômica anunciou um desbloqueio de R$ 2,1 bilhões na Educação.

Na reavaliação apresentada nesta sexta-feira, o governo também cortou a previsão de crescimento da economia em 2020, de 2,6% para 2,2%.

Também foi revista a projeção de inflação para este ano. Em 2019, o governo espera uma alta de 3,8%, e não mais de 4,1%.

To Top