Business

Libra não será lançada até que reguladores estejam satisfeitos, diz membro do BCE

Por Francesco Canepa e Leigh Thomas

CHANTILLY, França (Reuters) – Autoridades regulatórias globais não permitirão que o Facebook lance sua criptomoeda libra até que todas as suas preocupações, desde a lavagem de dinheiro até a estabilidade financeira, sejam resolvidas e “uma discussão prolongada” pode ser necessária, disse o responsável pela resposta à Reuters.

O Facebook anunciou a libra – uma nova moeda digital apoiada por quatro moedas oficiais e disponível para bilhões de usuários de redes sociais em todo o mundo – há um mês, acrescentando que espera lançá-la no próximo ano.

Esse objetivo pode ser otimista.

Benoît Coeuré, membro do conselho do Banco Central Europeu que preside um grupo de trabalho internacional sobre a libra, disse que o alcance global do Facebook significa que a criptomoeda tem que ser segura “desde o primeiro dia” para seus usuários, sistema financeiro e autoridades de combate ao crime.

“Você precisa ser segura, robusta e resiliente desde o primeiro dia”, disse Coeuré em uma entrevista durante uma reunião do G7 em Chantilly, na França. “Não é um processo de aprendizagem: funciona ou não.”

Os reguladores temem que a libra, que em seu projeto original permitiria que os usuários transfiram dinheiro usando um pseudônimo, possa ser usada para lavar dinheiro ou financiar o terrorismo.

Isso pode envolver uma “discussão prolongada” entre os reguladores sobre como mudar as regras nacionais e internacionais existentes para enquadrar a libra, disse Coeuré.

“No futuro, poderemos descobrir que existem lacunas ou inconsistências que exigiriam uma discussão prolongada dos reguladores sobre como fazer isso de maneira diferente”, disse ele.

“As autoridades não vão permitir que tais projetos aconteçam antes que tenhamos respostas às nossas perguntas e antes que tenhamos o marco regulatório correto”.

O Facebook disse no início desta semana que não irá prosseguir com o lançamento da libra até que as preocupações regulatórias sejam abordadas.

tagreuters.com2019binary_LYNXNPEF6H1J2-BASEIMAGE

To Top