Economy

Aprovação mais rápida de pesticidas no Brasil não prejudica ambiente, diz ministra

SÃO PAULO (Reuters) – A ministra da Agricultura do Brasil, Tereza Cristina, disse nesta segunda-feira, em resposta a críticas de ambientalistas, que a recente aceleração pelo governo de aprovações de pesticidas não é prejudicial para a segurança alimentar e nem para o meio ambiente.

Ela elogiou esforços de produtores rurais para a preservação de terras e disse que as aprovações mais rápidas dos defensivos agrícolas no país significam mais tecnologia à disposição do campo.

Ao participar de evento do setor em São Paulo, a ministra afirmou que o governo e empresas precisam cooperar para manter a reputação do Brasil como um produtor sustentável de produtos agrícolas.

“Nós precisamos ganhar a guerra de comunicação… nós precisamos que todos falem a mesma língua”, disse.

Os comentários da ministra vêm em momento em que o Brasil enfrenta crescentes críticas, particularmente no exterior, devido a questões ambientais, como desflorestamento e regulação de pesticidas.

Dados do governo mostraram que o desflorestamento na Amazônia cresceu neste ano, com o presidente Jair Bolsonaro priorizando o desenvolvimento econômico e minimizando questões relacionadas à preservação.

O Brasil, maior exportador global de uma ampla gama de produtos alimentícios, como açúcar, café e carne bovina, não irá comprometer a segurança alimentar e nem o meio ambiente ao permitir o uso de mais pesticidas, disse a ministra.

“Nós estamos modernizando, trazendo novos pesticidas, quebrando patentes e aprovando novas moléculas”, afirmou ela em coletiva de imprensa.

“O Brasil estava atrasado em relação (à aprovação) dessas moléculas. Quase todos países usam esses produtos, há muita informação errada”, afirmou ela, durante o Congresso Brasileiro do Agronegócio 2019.

Outros participantes do evento, que reuniu produtores rurais e executivos de empresas que fornecem para o setor, expressaram preocupação com o que apontam como danos à imagem do setor causados pelo governo.

O chefe da área de pesquisa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (Instituto CNA), Roberto Brant, afirmou que movimentos recentes, como a exoneração do diretor do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) após uma discussão com Bolsonaro sobre dados de desmatamento, são negativos para o setor.

“Esse governo está destruindo a imagem do setor agrícola brasileiro”, afirmou ele.

O presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), Marcello Brito, afirmou que produtores devem ajudar o Brasil a controlar o desmatamento ilegal.

“Isso às vezes acontece perto de nossas fazendas. Nós deveríamos denunciar os madereiros ilegais, deveríamos tomar uma posição de liderança contra o desmatamento”, disse ele.

(Por Ana Mano e Marcelo Teixeira)

tagreuters.com2019binary_LYNXNPEF741I3-BASEIMAGE

To Top