TopNews

Glock vence licitação e venderá 40 mil pistolas para a PM de SP

A fabricante austríaca Glock venceu uma licitação internacional da Polícia Militar de São Paulo e fornecerá 40 mil pistolassemiautomáticas calibre .40 para a corporação. Por Tahiane Stochero e César Galvão

A previsão inicial era pagar até R$ 2 mil por cada arma. Mas, após pós 28 rodadas de lances, a Glock fez a melhor oferta com o valor de R$ 891,66, ficando classificada em primeiro lugar.

A estimativa é que a compra resulte uma economia de R$ 53 milhões aos cofres públicos, conforme o Centro de Material Bélico da corporação.

Na última aquisição de pistolas Taurus, em 2011, a PM pagou R$ 1.901 por cada. Segundo oficias ouvidos pela reportagem, a corporação já teria chegado a pagar quase R$ 5 mil por uma pistola, o preço individual de mercado para pessoas físicas.

Disputa

Participaram da disputa, além da Glock, a italiana Beretta e a fabricante turca Canik. A brasileira Taurus não participou da disputa. Atualmente, a fabricante responde a processos administrativos e judiciais por parte da PM de SP e de outros estados por falhas em pistolas e submetralhadoras, mas não há restrições a sua participação em licitações.

A proposta inicial da Beretta era de R$ 1.727,55 por cada pistola, enquanto que a inicial da Glock ficava em torno de R$ 1.988. A Canik não foi credenciada por falhas na documentação.

A sessão pública de propostas, realizada na quarta-feira (21) foi suspensa após a classificação final da proposta e, agora, a Glock terá 10 dias, após a publicação do resultado no Diário Oficial, para a apresentação de amostras, com as quais serão realizadas testes de qualidade do equipamento.

G1 questionou se a Glock gostaria de se manifestar sobre a competição, e aguarda retorno.

Mais compras

Além das 40 mil pistolas calibre .40, a PM de São Paulo irá comprar também 1.300 fuzis calibres 5.56 e 7.62, dois fuzis de sniper (atirador de precisão) e 10 metralhadoras leves de calibre 7.62 mm.

Os equipamentos serão entregues até o final de 2020 e custarão R$ 108,9 milhões. Fonte G1

To Top