Entretenimento

Na reta final, Veneza perde gás que teve com ‘Coringa’ e Polanski

Depois de um começo fulgurante, o Festival de Veneza inicia sua reta final em estado de dormência. Já há dias que não se vê no Lido algum filme capaz de gerar o mesmo tipo de entusiasmo que “História de um Casamento”, do americano Noah Baumbach, “J’Accuse”, do franco-polonês Roman Polanski, ou “Coringa”, do americano Todd Phillips.

Nesta terça, a principal decepção ficou por conta de Atom Egoyan, diretor egípcio radicado no Canadá, com seu “Guest of Honour”, uma história tão complexa quanto problemática sobre uma relação entre um pai e uma filha.

David Thewlis vive um fiscal de vigilância sanitária que é o terror dos restaurantes típicos numa cidade do Canadá. Sua filha é uma professora de música que dá aula para adolescentes. Depois de um incidente ocorrido numa turnê, a moça vai parar na prisão –e não mostra interesse em sair de lá. O pai tenta entender o que a leva a agir assim.

Talvez seja a trama mais complicada exibida em Veneza até o momento –para se ter uma ideia, o filme intercala cenas que se passam em cinco tempos diferentes.

“Gosto de tentar entender como vivemos a partir de cenas que estão faltando”, disse Egoyan em conversa com a imprensa que contou com bem poucos jornalistas. “Na nossa vida, precisamos preencher [as partes faltantes] com a nossa imaginação.”

Noutros tempos, o diretor de fato teria sido capaz de instigar com um roteiro cheio de brechas. Mas a época de filmes como “Exótica”, de 1994, parece ter ficado para trás. O exercício mental de decifração que o diretor propõe hoje não gera nada fora cansaço.

Mas ao menos o filme tem David Thewlis, que seria o favorito ao prêmio de ator não fosse por Joaquin Phoenix (“Coringa”) e Adam Driver (“História de um Casamento”). Mas, como estes já foram premiados antes em Veneza, o britânico tem chances.

Também nesta terça, o sueco Roy Andersson apresentou “About Endlessness”, filme com que tenta repetir o feito de 2015, quando levou o Leão de Ouro pelo inventivo “Um Pombo Pousou num Galho Refletindo sobre a Existência”.

Mais uma vez, ele reúne um apanhado de situações muito distintas que falam sobre fraquezas humanas e a busca por compreender o sentido da vida. Com a habitual estilização de cenários, o filme traz esquetes de nível de humor e tragédia variáveis.

Em uma das cenas, um garçom distraído derrama vinho na mesa de um cliente –e o trecho acaba aí. Em outra, bem mais pesada, um homem amarrado por um grupo a um poste suplica para não morrer.

“About Endlessness” e “Pombo” são muito parecidos –alguém poderia retirar cenas de um e inserir no outro, e ninguém ia notar diferença. Mas falta desta vez sabor novo e um pouco de veemência na mensagem geral.

Ainda assim, o longa garante momentos impagáveis, como a cena em que um dentista mal-humorado se irrita com um paciente medroso.

Fora da competição, o ator Timothée Chalamet causou frisson com as adolescentes ao apresentar “O Rei”. Ele interpreta o monarca Henrique 5º, que precisa deixar a vida boêmia e assumir o trono inglês. O cineasta australiano David Michôd usa um roteiro com base em peças de Shakespeare, mas com a preocupação de manter a conexão com o grande público moderno.

Até consegue, e Chalamet reforça que é dos grandes talentos de sua geração. Mas o filme, que muitos tinham como aposta certa na disputa pelo Leão de Ouro, não foi exibido fora de competição à toa.

Já um documentário brasileiro, discreto numa mostra paralela, se destacou. “Babenco: Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou”, dirigido por Bárbara Paz, viúva do cineasta, mostra os últimos anos do diretor de “Pixote”.

Embora fale da morte de um homem, não é uma obra fúnebre –está mais próximo de uma celebração da vida e da criação. Este, sim, é um filme que merecia mais destaque.

To Top