Últimas Notícias

Fora da agenda, advogado de Flávio se encontra com Bolsonaro no Alvorada

Últimas notícias - Portal de Notícias Mix Vale com os principais acontecimentos do Brasil e do Mundo

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Frederick Wassef, advogado do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), reuniu-se com o presidente Jair Bolsonaro (PSL) neste sábado (21) no Palácio da Alvorada, em Brasília. O encontro não consta na agenda oficial do presidente da República.

O advogado chegou ao Alvorada por volta das 11h e deixou o local às 14h20. Bolsonaro se recupera da cirurgia realizada no último dia 8 para correção de um hérnia, a quarta realizada em decorrência da tentativa de assassinato que sofreu em setembro do ano passado.

Wassef representa o primogênito do presidente na investigação feita pelo Ministério Público do Rio de Janeiro contra o senador.

Procurado neste sábado, o advogado, que também é amigo do presidente, primeiro perguntou se a reportagem tinha certeza de que se tratava dele mesmo. Depois, questionou o período exato em que ele teria estado no palácio. Após ouvir a resposta, disse que não tinha nada a declarar e que estava apressado pois iria pegar voo para São Paulo.

Já a assessoria de imprensa do Palácio do Planalto afirmou que o compromisso não estava na agenda oficial do presidente e que, por isso, não tinha informação.

Em julho, a pedido da defesa do senador, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, suspendeu investigações criminais envolvendo relatórios de órgãos de controle (Coaf, Banco Central e Receita Federal) que especifiquem dados bancários detalhados sem que tenha havido autorização da Justiça para tal.

Na prática, a decisão paralisa a apuração do Ministério Público do Rio sobre o filho do presidente. Também atinge outros inquéritos e procedimentos de investigação criminal (tipo de apuração preliminar), de todas as instâncias da Justiça, baseados em informações desses órgãos de controle. O julgamento da questão no plenário da corte está marcado para 21 de novembro, mas Toffoli pode antecipá-lo. 

Flávio é investigado por peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Os crimes supostamente praticados estão ligados ao gabinete dele na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

O filho do presidente foi deputado estadual de 2003 a 2018 e, segundo o Ministério Público, há indícios robustos desses crimes de 2007 a 2018, período em que Fabrício Queiroz, pivô da investigação, trabalhou com o então deputado estadual como uma espécie de chefe de gabinete.

Relatório do Coaf apontou uma movimentação atípica de R$ 1,2 milhão na conta bancária do ex-assessor de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio, de janeiro de 2016 a janeiro de 2017. Além do volume movimentado, chamou a atenção a forma com que as operações se davam: depósitos e saques em dinheiro vivo, em data próxima do pagamento de servidores da Assembleia.

Queiroz já admitiu que recebia parte dos valores dos salários dos colegas de gabinete. Ele diz que usava esse dinheiro para remunerar assessores informais de Flávio, sem o conhecimento do então deputado. A Promotoria suspeita de um esquema conhecido como “rachadinha”, em que servidores são coagidos a devolver parte do salário para os deputados. 

Como mostrou reportagem do jornal Folha de S.Paulo, a quebra de sigilo bancário e fiscal autorizada pela Justiça na investigação do Ministério Público do Rio sobre Flávio atingiu pessoas que nem sequer foram nomeadas pelo senador e não tiveram nenhuma transação financeira com Queiroz.

A peça do Ministério Público também atribui equivocadamente ao gabinete de Flávio uma servidora da Assembleia que acumulou outro emprego e apresenta falhas ao relatar suspeitas contra Queiroz. 

Em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo em julho, Wassef afirmou que barbaridades foram cometidas na investigação contra Flavio. “O que não podemos é o poder ilimitado e sem controle de alguns membros do Ministério Público adentrar na vida financeira de qualquer indivíduo”, afirmou o advogado.

OUTRAS VISITAS A BOLSONARO

Além dele, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), esteve na manhã deste sábado no Alvorada por cerca de uma hora. No encontro, segundo a assessoria do parlamentar, ambos discutiram a pauta da próxima semana.

No início da tarde, chegaram ao palácio o ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Filipe Martins, assessor especial da Presidência para assuntos internacionais. Bolsonaro também foi visitado pelo médico Ricardo Camarinha, da equipe da Presidência. 

Bolsonaro viaja nesta segunda (23) a Nova York, onde participará da Assembleia Geral da ONU. Na cidade, deve participar de um jantar com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Na terça (24), Bolsonaro fará um discurso no encontro anual de líderes internacionais.

Neste sábado, por volta das 16h, a agenda da Presidência foi atualizada para incluir somente as reuniões com Maia, de 9h às 9h45, e com Ernesto, de 14h50 às 15h20.

QUESTÕES AINDA SEM RESPOSTA NO CASO QUEIROZ

Quem eram os assessores informais que Queiroz afirma ter remunerado com o salário de outros funcionários do gabinete de Flávio?

Por que o único assessor que prestou depoimento ao Ministério Público do Rio de Janeiro não confirmou esta versão de Queiroz?

Como Flávio desconhecia as atividades de um dos seus principais assessores por dez anos?

Se Flávio possui apenas uma empresa que foi aberta em seu nome, em 2015, como ele obteve R$ 4,2 milhões para comprar dois imóveis de 2012 a 2014?

Por qual motivo Jair Bolsonaro emprestou dinheiro a alguém que costumava movimentar centenas de milhares de reais?

De que forma foi feito esse empréstimo pelo presidente e onde está o comprovante da transação? 

Onde estão os comprovantes da venda e compra de carros alegadas por Queiroz?

Por que há divergência entre as datas do sinal descrita na escritura de permuta de imóveis com o atleta Fábio Guerra e as de depósito em espécie fracionado na conta de Flávio?

INCONSISTÊNCIAS NO PEDIDO DO MP-RJ

Pessoas não nomeadas por Flávio Bolsonaro – Há três casos de pessoas sem vínculo político com Flávio que foram alvo de quebra de sigilo. Elas estavam nomeadas no gabinete da liderança do PSL na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro quando o senador assumiu o cargo e, em seguida, as demitiu

Remuneração de Queiroz – Ao comparar gastos com vencimentos de Fabrício Queiroz, o Ministério Público considera apenas salário da Assembleia e ignora remuneração que ele recebe da Polícia Militar

Saques – Há erro na indicação do volume de saques feitos por Queiroz em dois dos três períodos apontados

Laranja potencial – Promotoria atribui ao gabinete de Flávio servidora da TV Alerj que acumulava cargo com outro emprego externo

Patrimônio – Ao falar sobre um negócio que envolve 12 salas comerciais, os promotores do Ministério Público do Rio escreveram que Flávio adquiriu os imóveis por mais de R$ 2,6 milhões, quando, na verdade, ele deteve apenas os direitos sobre os imóveis, que ainda não estavam quitados e continuaram sendo pagos em prestações por outra empresa que assumiu a dívida

To Top