Benefícios

Veja aqui as regras para a Aposentadoria por idade mista do INSS

INSS Previdência Pente-Fino Revisão Antencipação Salário Social Reforma da Previdência Aposentadoria Benefícios FGTS Bolsa Família Nis CNIS Extrato Banco Governo Pis Pasep Pis-Pasep Aposentado Idoso FGTS Caixa Banco do Cálculo Demora Brasil Maternidade Auxílio-Reclusão Saques Pagamento Vencimento Retiradas Refis MeuINSS Auxílio-Doença Aposentadoria Por Invalidez Contribuição BPC-Loas Pensão por Morte Pensionista Empréstimo MEi Consignado

Veja aqui as regras para a Aposentadoria por idade mista do INSS. Para ter direito a aposentadoria por idade mista é necessário cumprir a carência de 180 meses (15 anos) somando o tempo em atividade urbana e o tempo rural/pescador. Desta forma, para as mulheres é necessário ter 60 anos e para os homens 65 anos.

Observação: A carência de 180 meses (15 anos) é exigida apenas para os segurados que completaram a idade mínima em 2011 ou após esta data. Por exemplo, anterior a 2011 existe uma regra de transição e é exigido menos que 180. Ou seja, para o segurado que completou a idade mínimo em 2001 é exigido 120 meses (10 anos) de contribuição.

Para verificar as diferentes exigências de carência ao longo dos anos 1991 e 2011, acesse tabela da Previdência Social.

Pode ser computado como tempo de serviço:

  • Tempo em carteira de trabalho;
  • Contribuição em carnês;
  • Tempo de serviço militar;
  • Tempo rural em regime familiar;
  • Tempo de pescador artesanal;
  • Tempo em atividade especial;
  • Tempo de serviço em outros institutos;
  • Entre outros.​

Como o INSS contabiliza o tempo de contribuição

Muitos segurados da Previdência Social têm dúvidas em relação ao tempo que falta para conseguirem suas aposentadorias. E, é comum as pessoas realizarem  esse cálculo de cabeça, sem levar em consideração a forma como o INSS contabiliza o tempo de contribuição de um segurado. 

Porém, a forma como o tempo de contribuição é contabilizado pelo INSS é mais complexa do que apenas somar os períodos trabalhados de cabeça.

Aliás, aqui entra a primeira grande questão sobre esse assunto: Você sabia que o INSS contabiliza o tempo de contribuição em dias?  

Além disso, vários fatores podem reduzir ou até mesmo, aumentar o seu tempo de contribuição.

Saber o tempo de contribuição é fundamental para solicitar as aposentadorias do INSS. Acompanhe nossa matéria e entenda como funciona esse processo. 

Contabilizando o tempo de contribuição em anos, meses e dias

O primeiro ponto que precisamos tratar é que o INSS contabiliza o tempo de contribuição do segurado por dias. Assim sendo, é preciso verificar todos os períodos trabalhados para se chegar  ao tempo de contribuição que melhor corresponda à realidade. 

Do mesmo modo, além dessa soma, é preciso levar em consideração diversos fatores que podem interferir no cálculo. Entre eles, temos:

  • período em que o segurado ficou sem trabalhar;
  • período em que o segurado recebeu benefício;
  • outras atividades que possam ser computadas (rural, militar, aluno aprendiz, etc);
  • período especial.

Tudo isso deve ser levado em consideração na hora de fazer o cálculo do tempo de contribuição. Como cada caso é específico, podem haver situações onde o segurado tenha algum período de contribuição subtraído ou até mesmo acrescido. 

Como fazer a soma do tempo de contribuição

Existe uma ferramenta, gratuita, disponibilizada na plataforma do MEU INSS, que realiza a simulação do seu período de contribuição. 

Para realizar essa simulação, o sistema do Meu INSS utiliza os dados que constam em seu Extrato Previdenciário – CNIS. Aprenda aqui onde encontrá-lo no Meu INSS.

No entanto, o trabalhador precisa ficar atento a um detalhe muito importante. Essa simulação utiliza apenas os dados que constam no sistema. Não é contabilizado, por exemplo, tempo especial, serviço militar, período rural, etc. 

Ainda, muitos dos períodos não estão registrados corretamente nesse extrato (CNIS). É comum alguns períodos estarem incompletos ou sequer constarem ali. 

E, qualquer período não computado ou não reconhecido poderá fazer uma grande diferença no seu benefício. Por isso é fundamental comparar todos os dados do CNIS com a sua carteira de trabalho e/ou guia da Previdência Social. 

Dessa forma, não esqueça de todos os fatores que devem ser levados em consideração na hora de somar todos os seus períodos de contribuição. 

Por isso, essa simulação auxilia o trabalhador a ter uma base do seu tempo de contribuição.  O indicado é conferir todos os dados e consultar um especialista antes de dar entrada em sua aposentadoria. 

Qual a importância de um cálculo completo?

Cada tipo de aposentadoria tem suas particularidades, requisitos e exigências. Por esse motivo ela deve ser pensada e planejada com muita atenção para evitar erros desnecessários. 

Além do mais, esse é um período que o trabalhador esperou a vida toda. Então, não é justo que saia prejudicado por erros simples ou falta de informação.

Muitos segurados, sem saber sobre todos os seus direitos previdenciários, acabam optando pela aposentadoria que está mais próxima de acontecer, mas, muitas vezes, essa não a mais vantajosa. 

Muitas vezes uma diferença de poucos meses pode trazer uma alteração de mais de 40% no valor final do benefício.

Assim, a partir de um cálculo exato do seu tempo de contribuição, você saberá quanto tempo falta para você se Aposentar e saberá qual a Aposentadoria mais indicada para você.

Com as possíveis conversões realizadas e todos os fatores levados em consideração, é possível até mesmo prever qual será o valor do benefício. 

Por isso, realizar o cálculo completo é o primeiro passo para obter a melhor aposentadoria. 

Dessa forma, busque um profissional de sua confiança para lhe auxiliar. O indicado é que seja um especialista em direito previdenciário. Pois, o conhecimento específico na área faz toda a diferença na busca pelo seu benefício. Fonte www.carboneraetomazini.com.br/


To Top