Asia

Pioneiros da bateria de íons de lítio conquistam Nobel de Química

ESTOCOLMO (Reuters) – Os cientistas John Goodenough, Stanley Whittingham e Akira Yoshino ganharam nesta quarta-feira o prêmio Nobel de Química pelo desenvolvimento de baterias de íons de lítio, uma importante tecnologia para reduzir o uso de combustíveis fósseis.

Aos 97 anos, o norte-americano Goodenough se tornou o ganhador mais velho a receber um Nobel.

“Essa bateria recarregável levou à fundação de dispositivos eletrônicos sem fio, como celulares e notebooks”, informou a Academia Real das Ciências da Suécia em um comunicado sobre o prêmio de 906 mil dólares.

“(A bateria) também tornou possível um mundo livre de combustíveis fósseis, já que é utilizada para tudo, de carregar carros elétricos a armazenar energia de fontes renováveis”.

Whittingham desenvolveu a primeira bateria de lítio funcional no início da década de 1970. Goodenough duplicou o potencial da bateria na década seguinte e Yoshino eliminou o lítio puro da bateria, elevando a segurança do dispositivo.

Contribuições para a ciência, a paz e a literatura são reconhecidas desde 1901 pelo prêmio Nobel, instituído pelo testamento do cientista e empresário sueco Alfred Nobel, inventor da dinamite.

Os ganhadores do Nobel de Medicina e de Física foram anunciados no início desta semana. Os laureados de literatura, paz e economia serão divulgados nos próximos dias.

(Por Niklas Pollard e Simon Johnson; Reportagem adicional de Anna Ringstrom, Johannes Hellstrom, Johan Ahlander, Colm Fulton e Helena Soderpalm em Estocolmo)

tagreuters.com2019binary_LYNXMPEF980YG-BASEIMAGE

To Top