Julius Baer melhora avaliação para real, mas classifica comunicação do BC como "inconsistente"
Economy

Julius Baer melhora avaliação para real, mas classifica comunicação do BC como “inconsistente”

Por José de Castro e Paula Arend Laier

SÃO PAULO (Reuters) – O banco suíço Julius Baer melhorou a avaliação para o real, citando espaço limitado para mais fraqueza da moeda brasileira depois de forte depreciação recente.

“Melhoramos a avaliação do real de volta para ‘bullish’ (otimista)”, disse Mathieu Racheter, da pesquisa de estratégia para ações do Julius Baer. A revisão acontece após rebaixamento de avaliação quatro semanas atrás.

A instituição elevou o preço estimado para o dólar dentro de três meses –de 4,05 reais para 4,15 reais–, mas manteve a expectativa em 12 meses em 4,15 reais.

Ambas as projeções se encontram abaixo da taxa atual de câmbio. Por volta de 13h16, o dólar à vista era cotado a 4,2525 reais na venda, em leve queda de 0,14% no dia, após três recordes históricos sucessivos para fechamento.

Em novembro, contudo, o dólar salta 6,22% até dia 27, o equivalente a uma depreciação do real de 5,86%.

O Julius Baer cita vários fatores para a recente depreciação do real –como a decepção com o leilão do excedente da cessão onerosa, a soltura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preocupações comerciais, dados fracos da balança comercial e de transações correntes e, mais recentemente, declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes.

“Mas, fundamental e estruturalmente, o real parece atraente nos níveis atuais em termos da taxa de câmbio efetiva real (REER) e dos termos de troca”, disse o analista, ponderando, contudo, que a menor compensação ao risco, devido ao juro mais baixo, aumenta a sensibilidade da moeda a fatores de fluxo de curto prazo.

Sobre o Banco Central, Racheter avaliou a comunicação da autoridade monetária como “inconsistente” em termos de intervenções no mercado cambial. “(Mas) a estratégia de intervenções cambiais discricionárias pode ajudar a desencorajar apostas agressivas em uma depreciação do real, já que vender real em relação ao dólar implica taxa de juros negativa”, disse.

Em outro ponto favorável ao real, o analista espera que o crescimento econômico acelere no Brasil a partir dos níveis atuais, o que deve apoiar ainda mais o real.

tagreuters.com2019binary_LYNXMPEFAR1A1-VIEWIMAGE

To Top