INSS: Índice para o reajuste das aposentadorias sai dia 10 de janeiro
Benefícios

INSS: Índice para o reajuste das aposentadorias sai dia 10 de janeiro

INSS Previdência Pente-Fino Revisão Antencipação Salário Social Reforma da Previdência Aposentadoria Benefícios FGTS Bolsa Família Nis CNIS Extrato Banco Governo Pis Pasep Pis-Pasep Aposentado Idoso FGTS Caixa Banco do Cálculo Demora Brasil Maternidade Auxílio-Reclusão Saques Pagamento Vencimento Retiradas Refis MeuINSS Auxílio-Doença Aposentadoria Por Invalidez Contribuição BPC-Loas Pensão por Morte Pensionista Empréstimo MEi Consignado

INSS: Índice para o reajuste das aposentadorias sai dia 10 de janeiro. O índice usado para calcular o reajuste do teto e dos benefícios acima do salário mínimo pagos pelo INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) será divulgado no próximo dia 10, informou o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Para aplicar o aumento das aposentadorias, auxílios e pensões, o governo usa a inflação do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor), medida pelo instituto em 2019.

O acumulado do INPC até novembro de 2019 (último mês cheio) é de 3,22%.

A estimativa é que o índice feche 2019 em torno de 4,1%, taxa aplicada no reajuste do salário mínimo, anunciado na terça-feira (31).

Até o dia 10 de janeiro, no entanto, quando será divulgado o valor do INPC cheio do mês de dezembro (e, logo, o acumulado de 2019), esse total pode oscilar.

A última estimativa do governo ao Congresso era de que o INPC encerraria 2019 em torno de 3,3%, valor enviado pelo Planalto para aumento do piso na proposta orçamentária de 2020.

O ministro Paulo Guedes (Economia) já havia afirmado em 18 de dezembro que, por causa da aceleração da inflação nos últimos meses —puxada pela alta do dólar e pela disparada do valor da carne— esse percentual poderia ser maior.

Caso o INPC feche o ano com a estimativa de 4,11% do governo, o índice deve ficar próximo da inflação oficial do país, medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).

Na última pesquisa Focus de 2019, divulgada na segunda-feira (30) pelo Banco Central, economistas preveem o IPCA encerrando o ano em 4,04%.

Teto do INSS pode subir para R$ 6.079

O teto dos benefícios pagos pelo INSS, em 2019, é de R$ 5.839,45. Aplicando-se a estimativa de reajuste de 4,11%, o valor máximo dos pagamentos pode chegar a R$ 6.079,45 a partir de janeiro deste ano.

De 2018 para 2019, o governo reajustou as aposentadorias, pensões e auxílios do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) acima do mínimo em 3,43%, passando de R$ 5.645,80 para os atuais R$ 5.839,45.

Tendo como base de cálculo essa mesma estimativa de 4,11%, um segurado que, em 2019, recebe R$ 2.000 de aposentadoria receberá R$ 2.082,20 a partir de janeiro.

Sobre o benefício do segurado, incidem os descontos da alíquota de contribuição previdenciária e de Imposto de Renda.

Veja outras simulações

​*com a estimativa do INPC em 4,11% (o índice final ainda pode variar)

Em 2019 (em R$) Em 2020 (em R$)
1.400,00 1.457,54
1.800,00 1.873,98
2.200,00 2.290,42
2.600,00 2.706,86
3.000,00 3.123,30
3.400,00 3.539,74
3.800,00 3.956,18
4.200,00 4.372,62
4.600,00 4.789,06
5.000,00 5.205,50

Inflação oficial tem correção diferente

O INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) é utilizado para medir o aumento do custo de vida das famílias com renda de um a cinco salários mínimos.

São grupos mais sensíveis às variações de preço, pois tendem a gastar todo o rendimento em itens básicos, como alimentação, medicamentos, transporte etc.

Por isso, esses são os principais itens monitorados pelo índice.

Por outro lado, a inflação oficial do país é calculada com base em outro índice do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), o IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo).

Esse medidor monitora a inflação de produtos e serviços do varejo, referente às famílias que ganham entre um e 40 mínimos.

To Top