Governo de São Paulo atua para mitigar efeitos de enchentes
São Paulo

Governo de São Paulo atua para mitigar efeitos de enchentes

Governo de São Paulo atua para mitigar efeitos de enchentes

Governo de São Paulo atua para mitigar efeitos de enchentes. Equipes do Governo do Estado trabalham desde a madrugada desta segunda-feira (10) para atender ocorrências provocadas pelas fortes chuvas que atingem a Região Metropolitana de São Paulo e provocam o transbordamento dos rios Tietê e Pinheiros. O volume de chuvas em alguns pontos da capital atingiu 100 milímetros em três horas – praticamente a metade da média prevista para todo o mês. Baixe o Aplicativo Gratuito do Portal Mix Vale

A Defesa Civil recomenda que as pessoas fiquem em casa. “Desde cedo tenho acompanhado as chuvas na capital, Região Metropolitana de São Paulo e cidades do interior. A Defesa Civil do Estado está mobilizada junto com a Defesa Civil dos municípios, especialmente São Bernardo, São Caetano e Santo André. Igualmente o setor de transportes, por meio do DER [Departamento de Estradas de Rodagem] e das concessionárias, com atenção redobrada nas rodovias para evitar o trânsito onde há perigo de desmoronamento. Atenção máxima em todo o Estado”, disse o Governador João Doria.

INSS tem regras vantajosas da Aposentadoria Especial

Na capital, o Rio Tietê possui 53 bombas sob responsabilidade do Departamento de Águas e Energia Elétrica (DAEE) que passam por manutenção semanal. Em 2019, o desassoreamento foi feito ao longo de 44 quilômetros do curso d’água e retirou mais de 400 mil toneladas de sedimentos como areia e argila em 2019, com investimento de R$ 49 milhões. Em 2020, está previsto investimento de mais R$ 20 milhões para ações, especialmente no Alto Tietê.

O nível do Rio Pinheiros é o maior nos últimos 15 anos, de acordo com a Empresa Metropolitana de Águas e Energia (EMAE). Em 2019, as equipes da EMAE registraram recorde de retirada de sedimentos do leito do Pinheiros, com carga equivalente à de 28 mil caminhões basculantes. Também houve a retirada de 9 mil toneladas de lixo das águas.

Transportes

Os alagamentos afetaram a Linha 9-Esmeralda, da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM), impossibilitando a circulação dos trens entre as estações Osasco e Santo Amaro. A empresa acionou o Paese (ônibus gratuito) para atender os trechos citados, mas com os alagamentos os veículos circulam parcialmente. A Linha 8-Diamante, da CPTM, retomou a operação em todo o trecho, após ter circulação parcial mais cedo.

Há interrupção total ou parcial na circulação dos ônibus da EMTU nas marginais Pinheiros e Tietê e nos municípios de Guarulhos, Taboão da Serra, Osasco, Itapevi, São Bernardo do Campo, São Caetano do Sul, Cajamar e São Vicente. O Metrô e o VLT da Baixada Santista operam normalmente, sem restrições.

Placa Mercosul no Detran já enfrenta problemas

O Corpo de Bombeiros atendeu mais de 4 mil chamados desde a noite de domingo (9), entre eles sete desabamentos, 132 pontos de inundação, 25 árvores caídas e 17 vistorias de árvores na Grande São Paulo. O policiamento foi reforçado nos principais terminais de transporte público e em pontos de alagamento – o helicóptero Águia 6 resgatou uma pessoa na Marginal Tietê e também atende chamados em Barueri e Carapicuíba. A Polícia Militar Rodoviária também atua em pontos de interdição nas rodovias paulistas.

INSS: Confira os valores reajustados

To Top