Abiove mantém estimativa de embarque de soja do país, mas monitora impactos de vírus
Agro

Abiove mantém estimativa de embarque de soja do país, mas monitora impactos de vírus

Por Roberto Samora

SÃO PAULO (Reuters) – As estimativas de exportações de soja e farelo de soja do Brasil neste ano seguem sem alterações apesar de preocupações relacionadas a movimentos para controlar o coronavírus, disse o presidente da Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove), entidade que representa as principais tradings e processadoras no país.

A associação estimou em fevereiro a exportação de soja do Brasil neste ano em 73,5 milhões de toneladas, leve queda ante 2019 (74 milhões). A Abiove ainda previu a exportação de farelo de soja do país em 16,2 milhões de toneladas.

Mas os impactos no setor decorrentes de ações para conter a doença estão sendo monitorados de perto pela Abiove, acrescentou o dirigente André Nassar, em entrevista à Reuters, citando situações que, se mal gerenciadas, podem trazer problemas para as exportações no país, líder global em soja.

“Tem várias coisas que temos de monitorar e são preocupantes. Uma delas são as decisões de prefeituras que podem levar a fechamento de fábricas, ou mesmo restringir transportes”, afirmou Nassar.

Decretos de municípios de Canarana e Rondonópolis, ambos em Mato Grosso (maior produtor de soja), definiram restrições para operações de fábricas e transporte de mercadorias agrícolas.

Embora as medidas não tenham, ainda, causado problemas para as operações nessas localidades, o setor tem conclamando os municípios a permitirem o fluxo e o funcionamento das fábricas e armazéns, seguindo decreto federal que estabelece tais atividades, incluindo transporte, como algo essencial, conforme notas da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil) e da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) –esta última prometeu acionar judicialmente os municípios que descumprirem a norma.

“A gente tem uma outra preocupação, mesmo que o município não feche, aumentou fiscalização, vão querer olhar se as fábricas tomaram medidas para mitigar risco”, comentou ele, ressaltando que as companhias estão seguindo os protocolos sanitários, mas a atuação dos fiscais poderia eventualmente atrasar processos.

Os trabalhadores precisam usar máscaras e adotar higienização com álcool gel, de acordo com os protocolos de saúde pública. Mas isso não é algo que possa atrapalhar o funcionamento das processadoras de soja, segundo Nassar.

Ele ressaltou também que uma fábrica de farelo e óleo de soja não gera muita aglomeração, “e a implementação de protocolos não deve gerar redução de produção”.

O presidente da Abiove citou ainda temas relacionados aos caminhoneiros, uma peça chave na cadeia de transporte de soja no Brasil.

“Com o fechamento de ponto de paradas, restaurantes, para o caminhoneiro, isso é um problema, para identificar em determinadas estradas onde os pontos estão abertos para ele se alimentar”, disse Nassar, admitindo que o motorista agora vai procurar evitar trechos longos, o que poderia interferir no tempo de transporte da mercadoria.

“Se não tiver lugar para o caminhoneiro parar, pode sim afetar o transporte para os portos.”

Além da rodovia, outra forma de transporte de grãos é pelas ferrovias, que também adotaram protocolos para evitar aglomerações, lembrou Nassar.

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG2N24Y-BASEIMAGE

To Top