Maia diz que fala de Bolsonaro foi equivocada e que cabe a brasileiro seguir ministério
Últimas Notícias

Maia diz que fala de Bolsonaro foi equivocada e que cabe a brasileiro seguir ministério

portalmixvaleultimasnoticias1200 (1)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), qualificou na noite desta terça-feira (24) de equivocado o pronunciamento em que o presidente Jair Bolsonaro minimiza a crise provocada pelo coronavírus no país e ataca o fechamento de escolas, governadores e imprensa.
Em uma rede social, Maia disse que, desde o início da pandemia, vem pedindo “sensatez, equilíbrio e união”.
“O pronunciamento do presidente foi equivocado ao atacar a imprensa, os governadores e especialistas em saúde pública”, criticou.
“Cabe aos brasileiros seguir as normas determinadas pela OMS (Organização Mundial da Saúde) e pelo Ministério da Saúde em respeito aos idosos e a todos que estão em grupo de risco”, afirmou Maia.
A atuação do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, tem destoado do discurso de Bolsonaro ao longo da crise do coronavírus, sendo elogiada inclusive por governadores atacados pelo presidente.
Maia afirmou que “o Congresso está atento e votará medidas importantes para conter a pandemia e ajudar os empresários e trabalhadores”. “Precisamos de paz para vencer este desafio”, disse.
O deputado também parabenizou o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), pelo pronunciamento que o senador havia feito pouco antes.
Em nota, Alcolumbre afirmou que o Brasil precisava de uma liderança séria, responsável e comprometida com a vida e a saúde da população.
No domingo (22), em entrevista à CNN Brasil, Bolsonaro afirmou que Mandetta havia exagerado e usado palavras inadequadas. Ele se referia à declaração de que, em abril, o sistema de saúde entrará em colapso.
Nos bastidores, Bolsonaro cobrou do médico um discurso mais afinado ao do Palácio do Planalto no combate à pandemia do coronavírus.
O presidente se irritou, de acordo com auxiliares próximos, com o fato de Mandetta não tê-lo defendido, em entrevistas à imprensa, por ter participado de manifestação a favor do governo em Brasília em meio à crise do coronavírus –a recomendação da pasta era para evitar aglomerações.
As declarações de Bolsonaro no pronunciamento desta terça geraram perplexidade e irritação entre os parlamentares. Governadores também criticaram o pronunciamento e afirmaram que o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, perdeu legitimidade no governo.
Em cadeia nacional de rádio e TV, Bolsonaro criticou o fechamento de escolas e comércio para combater a epidemia, atacou governadores e culpou a imprensa pelo que considera clima de histeria instalado no país.
O presidente afirmou que desde o início da crise o governo se preocupou em conter o “pânico e a histeria” e voltou a minimizar a gravidade da Covid-19 ao compará-la a uma “gripezinha” ou “resfriadinho”.
Em seu pronunciamento, Bolsonaro disse que “grande parte dos meios de comunicação foram na contramão” do governo e “espalharam a sensação de pavor, tendo como carro-chefe o grande número de vítimas na Itália”.
Bolsonaro argumentou que o país europeu tem características distintas das do Brasil, e que o cenário foi “potencializado pela mídia para que histeria se espalhasse”.
O presidente disse também que “nossa vida tem que continuar” e os empregos precisam “ser mantidos”. “O sustento das famílias deve ser preservado. Devemos, sim, voltar à normalidade”, afirmou.

To Top