Brasil tem 77 mortes e 2.915 casos confirmados de novo coronavírus, diz Ministério da Saúde
Benefícios

Brasil tem 77 mortes e 2.915 casos confirmados de novo coronavírus, diz Ministério da Saúde

coronavírus

Brasil tem 77 mortes e 2.915 casos confirmados de novo coronavírus, diz Ministério da Saúde. O Ministério da Saúde divulgou nesta quinta-feira (26) o novo balanço de casos confirmados de novo coronavírus (Sars-Cov-2) no Brasil. Os principais dados são: Baixe o Aplicativo Gratuito do Portal Mix Vale

  • 77 mortes, eram 57 na quarta
  • 2.915 casos confirmados, eram 2.433
  • 1.665 casos no Sudeste
  • 2,7 % é a taxa de letalidade

O Ministério da Saúde chegou a divulgar que o total de mortes era de 78, mas o número foi corrigido pelo governo porque a tabela considerava uma morte a mais no Distrito Federal.

100 mil casos em 2 dias no mundo

A Organização Mundial da Saúde (OMS) informou nesta quinta-feira (26) que, nos últimos dois dias, o mundo registrou mais 100 mil novos casos de coronavírus. Ao todo, já são mais de meio milhão de pessoas infectadas.

Na segunda-feira (23), a OMS apresentou um balanço dos casos a cada marca de 100 mil para alertar como a pandemia está se acelerando nesta semana: os primeiros 100 mil casos de Covid-19 foram registrados em 67 dias – mas foram necessários apenas mais 11 dias para dobrar e atingir 200 mil casos e outros quatro dias para chegar a 300 mil casos. Agora, a pandemia levou dois dias para somar mais 100 mil novos casos ao balanço.

–:–/–:–

Japão tem recorde de infectados pelo novo coronavírus em 24 horas

Japão tem recorde de infectados pelo novo coronavírus em 24 horas

“”A pandemia da Covid-19 está se acelerando a uma taxa exponencial”, publicou nas redes sociais o diretor-geral da OMS, Tedros Ghebreyesus. “Sem ação agressiva em todos os países, milhões poderão morrer”, completou.

Grupo de risco do Coronavírus: Saiba se você está nele. O fato de já ocorrer transmissão local do novo coronavírus em São Paulo, ainda que relacionada a um caso importado, deve servir de alerta para que os serviços de saúde priorizem grupos especiais, como os mais velhos e com doenças associadas, que têm mais riscos de complicações e mortes.Baixe o Aplicativo Gratuito do Portal Mix Vale


“Temos que tentar reduzir não só as chances dessas pessoas pegarem o vírus como, se pegarem, focar naquelas com sintomas de doença mais agressiva”, afirma o infectologista Esper Kallás, professor da USP.
Segundo ele, a literatura mostra que o coronavírus causa adoecimento, principalmente, em pessoas acima de 40 anos de idade. “Vai aumentando a proporção com o avançar da idade, depois dos 50, 60, 70, 80 anos. Essas pessoas precisam ter atenção especial.”


Outra prioridade, segundo o médico, será a proteção de pessoas que estão em serviços de saúde, além da criação de planos de contingência caso haja alta transmissão da doença nesses locais.
“Os mais vulneráveis são os profissionais de saúde. Na China, muitos que desconheciam a forma de aquisição do vírus acabaram pegando e, alguns, morrendo. Agora a gente sabe da transmissão por gotículas e por contato das superfícies contaminadas.”

Perguntas e respostas sobre o novo coronavírus(Abre numa nova aba do navegador)


Para ele, esses profissionais precisam ser continuamente treinados, saber como se proteger da melhor forma possível e ter à disposição produtos para essa proteção, como luvas, máscaras e álcool gel.
“Aqueles que começarem a ter sintomas devem deixar os serviços de saúde para não ter o risco de passar justamente para as pessoas já doentes, internadas no hospital.”


Kallás diz que os gestores devem pensar em formas de orientar as pessoas sobre quais são as situações em que os sintomas da gripe indicam um quadro leve, que pode ser cuidado em casa com dipirona, hidratação e repouso, e quais precisam ser vistos por um médico ou um hospital.
“Se a pessoa tem nariz escorrendo, um pouquinho de tosse e uma febre baixa, a doença é benigna. Se ela começa a ter tosse mais intensa, com catarro com pus, febre alta com calafrios, falta de ar, com as ponta dos dedos e os lábios arroxeados, tem que ir para o hospital.”

Março pode ter novas analises no INSS(Abre numa nova aba do navegador)


Por que não levar todo mundo para o hospital? “O sujeito que vai para o hospital com dor de cabeça e um pouco de febre tem grande chance de pegar coronavírus na sala de espera do sujeito ao lado.”
Segundo ele, se começar a ter muitos casos de coronavírus não adianta fazer testes diagnóstico em todo mundo.
“A prioridade deve ser a população com risco de ter a doença mais grave e profissionais de saúde.”


O infectologista Caio Rosenthal tem opinião parecida. “Precisamos prestar atenção nos casos muito sintomáticos. Então, só procure o serviço de saúde se não estiver bem mesmo. Senão é muito prejudicial, você não tem nada a ganhar. Não existe remédio específico. Não é como a gripe por influenza, que, se você tem sintomas mais significativos tem o oseltamivir [Tamiflu].”
De acordo com ele, no consultório, a grande demanda ainda são os viajantes. “Existem escritórios com 150, 200 pessoas que trabalham com janelas fechadas e só no ar-condicionado. E com funcionários indo e voltando da Europa, dos EUA o tempo todo. Esse é um problema maior para o qual a gente não tem solução.”

Sintomas do novo coronavírus: Saiba quais são(Abre numa nova aba do navegador)


Para o infectologista Leonardo Weimann, consultor da Sociedade Brasileira de Infectologia, ainda não há motivo para novas orientações para a população além daquelas já divulgadas, uma vez que não existem indícios de transmissão comunitária. “No momento, o indicado é manter a higiene das mãos e a etiqueta respiratória.”

To Top