Entidades de imprensa reagem à provocação de Bolsonaro a jornalistas sobre coronavírus
Últimas Notícias

Entidades de imprensa reagem à provocação de Bolsonaro a jornalistas sobre coronavírus

portalmixvaleultimasnoticias1200 (1)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Em nota conjunta, a ANJ (Associação Nacional de Jornais) e a Aner (Associação Nacional de Editores de Revistas) reagiram com ‘indignação e perplexidade’ à provocação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) feita nesta quarta-feira (26) ao grupo de repórteres que diariamente espera sua saída do Palácio do Alvorada.
O presidente usou os jornalistas para reforçar seu argumento contra as restrições de movimento para o combate ao Covid-19 e perguntou se os profissionais não estavam “com medo do coronavírus”.
“Atenção povo do Brasil: esse pessoal aqui [aponta para os repórteres] diz que eu estou errado e que você tem que ficar em casa”, disse Bolsonaro, aos risos, para apoiadores que o esperavam em frente à residência oficial, nesta quinta-feira (26).
O vídeo, gravado por um auxiliar do presidente, foi compartilhado nas redes do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). “Agora eu pergunto: o que vocês estão fazendo aqui? Não estão com medo do coronavírus, não? Vão para casa. E todo mundo sem máscara”, acrescentou o presidente.
“Todos os representantes de veículos de comunicação, como quaisquer outros de serviços essenciais, desejariam estar recolhidos em isolamentos com suas famílias neste momento de calamidade pública. No entanto, a imprensa tem consciência de que deve, mais do que nunca, seguir no trabalho de informar a população.”
“A triste provocação do presidente escarnece de todos aqueles que colocam a saúde em risco para prestar um serviço essencial aos brasileiros.” Na nota, as entidades afirmam ainda que os veículos de imprensa seguirão acompanhando os principais fatos do país, “atuando de forma construtiva para que, juntos, derrotemos o novo coronavírus”.
A OMS (Organização Mundial da Saúde) orienta que, entre a população em geral, máscaras clínicas devem ser usadas apenas por pessoas que apresentam sintomas do coronavírus.
Em outro momento, que não consta no vídeo divulgado pelo deputado, Bolsonaro disse: “Ô imprensa. Vocês estão aqui trabalhando? Tem que ficar em casa, quarentena. Fica em quarentena em casa”.
Desde meados do ano passado, o presidente tem parado para cumprimentar seus seguidores na entrada do Palácio da Alvorada. Em muitas ocasiões, ele aproveita a situação para conceder entrevistas. A prática levou a uma mudança na rotina das redações em Brasília, que passaram a destacar repórteres e cinegrafistas para registrarem as declarações de Bolsonaro.
Mesmo com a declaração do estado de pandemia, Bolsonaro não abandonou o hábito de conversar com seus apoiadores, embora, seguindo recomendações médicas, tenha deixado de se aproximar deles e de posar para selfies.
Apesar de ter tentado usar os profissionais como exemplo em seu esforço de minimizar a doença, o presidente não mencionou em nenhum momento que ele mesmo definiu a imprensa como atividade essencial durante a crise da Covid-19.
Em decreto de 22 de março, Bolsonaro determinou o resguardo do “exercício pleno e o funcionamento das atividades e dos serviços relacionados à imprensa, considerados essenciais no fornecimento de informações à população”. Na mesma norma, Bolsonaro veda “a restrição à circulação de trabalhadores que possa afetar o funcionamento das atividades e dos serviços essenciais”.

To Top