Filhos de Bolsonaro atuam em gabinete paralelo para tentar reverter desgaste do pai
Últimas Notícias

Filhos de Bolsonaro atuam em gabinete paralelo para tentar reverter desgaste do pai

portalmixvaleultimasnoticias1200 (1)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Na tentativa de reverter a perda de apoio diante da pandemia do coronavírus, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) tem se aconselhado com os seus três filhos mais velhos, que passaram a mobilizar simpatizantes nas redes sociais e a participar presencialmente de reuniões de governo.
A atuação do senador Flávio Bolsonaro (sem partido-RJ), do vereador Carlos Bolsonaro (PSC-RJ) e do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) foi apelidada no Palácio do Planalto de “gabinete paralelo” e tem incomodado auxiliares presidenciais.
Os mais moderados, entre eles militares, têm culpado o trio pelo que chamam de radicalização do presidente, que, na tentativa de municiar a militância digital, aumentou os ataques aos veículos de imprensa e aos governos estaduais.
A mudança de tom, ocorrida após Bolsonaro ter ensaiado um discurso conciliatório, não é consenso no Palácio do Planalto. Na equipe presidencial, é feita a avaliação de que, caso a pandemia gere de fato um colapso no sistema de saúde, a polarização buscada pelo presidente pode prejudicá-lo na disputa eleitoral de 2022.
Desde o início da pandemia, Flávio tem sido ouvido por Bolsonaro sobre como agir diante da crise sanitária. O primogênito foi um dos defensores da retórica adotada pelo presidente de que não deve haver “histeria” no país e que a atividade econômica não pode ser paralisada.
A atuação do senador era inicialmente discreta, mas desde o primeiro panelaço contra o presidente, no dia 17, ele decidiu sair dos bastidores,
No dia seguinte à manifestação, Flavio fez questão de acompanhar, no Palácio do Planalto, uma entrevista de Bolsonaro para prestar contas sobre as medidas adotadas pelo governo contra a Covid-19. E na última sexta- feira (20) participou de videoconferência do presidente com empresários.
Os filhos têm também gravado alguns vídeos informais que o presidente faz no Palácio da Alvorada, para serem replicados nas redes sociais.
Segundo interlocutores, Flávio tem ainda se empenhado na interlocução com empresários e, principalmente, senadores.
Já Eduardo e Carlos deram início a uma participação mais direta a partir do último sábado (21). Os dois foram, de acordo com assessores presidenciais, os mentores de vídeo divulgado pelo presidente em que ele anunciou que o laboratório químico e farmacêutico do Exército ampliará a produção de cloroquina.
Alguns testes com o medicamento apresentaram resultados promissores para o coronavírus, mas até o momento não há comprovação cientifica de que a substancia é eficaz. Autoridades sanitárias têm alertado ainda para o risco da automedicação, uma vez que a cloroquina traz efeitos colaterais, entre eles lesões hepáticas.
Após ter causado um incidente diplomático com a China, que irritou o presidente, Eduardo tem aconselhado o pai de maneira mais discreta, diferentemente de Carlos.
Mentor do chamado “gabinete do ódio”, o bunker digital do Planalto, o filho 02 participou nesta semana de videoconferência do presidente com governadores do Sul e do Norte. Ele também ajudou na redação do pronunciamento de Bolsonaro na terça-feira (24).
Em sua fala, que foi criticada por assessores palacianos, Bolsonaro afirmou que desde o início da crise o governo se preocupou em conter o “pânico e a histeria”. No entanto, ele redobrou a aposta no radicalismo e voltou a minimizar a gravidade da doença, ao compará-la a um “resfriadinho”.
Flávio e Carlos se reuniram com o presidente na tarde de terça enquanto ele se preparava para fazer o pronunciamento em rede nacional.
A decisão de falar a todos os cidadãos, segundo relatos feitos à reportagem, foi tomada após o núcleo digital da Presidência constatar desmobilização de perfis de direita nas redes sociais, que passaram a defender menos o presidente de ataques da esquerda.
Carlos tem residência no Rio de Janeiro, mas, desde o fim de semana, participou de reuniões no Planalto em Brasília. Já Flávio, que voltava com frequência para a sua base no Rio, também passou a se dedicar integralmente a agendas na capital federal.
Em paralelo à atuação física no Planalto, os filhos do presidente também iniciaram uma mobilização nas redes sociais em defesa do pai, na tentativa de reverter a perda de apoio em perfis de direita.
Na manhã desta quinta-feira (26), por exemplo, replicaram um vídeo em que Bolsonaro para na porta do Palácio da Alvorada para cumprimentar apoiadores e critica a presença de jornalistas.
O presidente insinua que, embora os meios de comunicação incentivem que os cidadãos fiquem em casa durante a pandemia, continuam enviando suas equipes para a cobertura do governo.
Nenhuma palavra é dita pelo presidente sobre a presença dos apoiadores. Nem que ele mesmo incluiu as atividades de imprensa entre os serviços essenciais em seu decreto que trata de serviços que não podem ser interrompidos durante a crise do coronavírus.
A atuação dos filhos do presidente nas redes, com seus milhares de seguidores, tem servido para ajudar a impulsionar hashtags de apoio ao governo, como #Bolsonarotemrazão. A ação serve como contraponto às críticas que o mandatário vêm sofrendo nas redes sociais.

To Top