Inspirada na Coreia do Sul, Florianópolis fará testes em massa para barrar coronavírus
Últimas Notícias

Inspirada na Coreia do Sul, Florianópolis fará testes em massa para barrar coronavírus

portalmixvaleultimasnoticias1200 (1)

PORTO ALEGRE, RS (FOLHAPRESS) – Uma das primeiras cidades a decretar medidas de distanciamento social, Florianópolis fará testes em larga escala para barrar a proliferação da Covid-19.
As prefeituras da capital catarinense e de outras três cidades próximas –Biguaçu, Palhoça e São José–comprarão os testes com recursos próprios.
Os testes em massa são uma das ações adotadas pela Coreia do Sul, país que conseguiu achatar a curva do novo coronavírus sem impor restrições severas às atividades comerciais e à circulação de pessoas.
O prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (DEM), diz que a ação é baseada não apenas nos resultados da Coreia do Sul mas também na literatura científica sobre o tema.
As compras de cerca de 200 mil testes devem ser finalizadas, possivelmente, na próxima segunda-feira (30), com entrega até o dia 6 de abril. O valor deve superar R$ 15 milhões.
“Não vai ser um teste em toda população. Padronizamos critérios para estabelecer os casos suspeitos. Todos os suspeitos serão testados e, quando confirmados, serão isolados e vamos refazer o roteiro dele na última semana e todos que tiveram contato serão testados também”, explicou Loureiro à reportagem.
“Estimamos que, se testarmos 20% da população [de 1 milhão de habitantes das quatro cidades], 5% serão isolados. Conseguimos operacionalizar isso e liberar o restante para suas atividades, com todos os cuidados necessários”, calcula o prefeito.
Loureiro explica que testar todos suspeitos é uma forma de preparar a cidade com mais segurança para as futuras flexibilizações do decreto do governador Carlos Moisés (PSL), que fechou comércio e transporte, entre outras medidas.
Moisés tem dito em seus pronunciamentos que planeja retomar a atividade econômica de forma gradual, o que fará com que muitos voltem a circular pelas cidades.
A postura de retomada, porém, não significa um alinhamento com o presidente Jair Bolsonaro, que vem criticando os governadores e as medidas de isolamento. Moisés se disse “estarrecido” com o pronunciamento de Bolsonaro.
“O que foi distribuído [pelo governo federal] não é suficiente, a gente quer fazer em grande quantidade”, diz o prefeito.
Além dos testes, a prefeitura estuda adotar uma solução digital desenvolvida por uma startup na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) que possibilitaria o monitoramento do isolamento por GPS do paciente.
“Com o volume de pacientes testados que teremos, não temos estrutura para fazer o monitoramento tradicional por telefone, ligando de manhã, de tarde e de noite. Por isso a tecnologia é importante”, explica.
Com autorização do paciente, o aplicativo indicaria os contatos mais frequentes feitos na semana do possível contágio, para que esses contatos também sejam testados.
A Coreia do Sul já testou mais de 270 mil pessoas. Aqueles com resultado positivo ficam em isolamento. O país tem conseguido detectar a maioria dos infectados e, assim, essas pessoas permanecem isoladas, sem disseminar o vírus.
A Coreia do Sul tem 9.137 casos confirmados e 126 mortes, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). O número de mortes é considerado baixo, quando comparado com países como a Itália, com mais de 7.000 mortos. No Brasil, já são 77 mortes.
A prefeitura de Florianópolis também tomou medidas sociais para ajudar a minimizar o impacto do isolamento. Todas as famílias que têm filhos matriculados nas escolas públicas do município receberão um “cartão merenda” para compensar a falta das refeições das crianças nas escolas, que estão fechadas.
Além disso, há um “cartão refeição” de R$ 100 mensais para 2,000 famílias vulneráveis. Com esse valor poderão ser comprados produtos de higiene.
Para microempreendedores, a prefeitura lançou uma linha de crédito de juro zero. Por exemplo, caso um empréstimo de R$ 3.000 seja tomado, ele deve ser pago em dez parcelas de R$ 300. A prefeitura arcará com os juros, explica Loureiro.

To Top