Restaurantes enviam carta a bancos pedindo ajuda 'sem mesquinhez' em crise de coronavírus
Últimas Notícias

Restaurantes enviam carta a bancos pedindo ajuda 'sem mesquinhez' em crise de coronavírus

portalmixvaleultimasnoticias1200 (1)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Seis entidades e movimentos ligados à gastronomia enviaram uma carta a instituições bancárias nesta quinta-feira (26) solicitando um pacote de ajuda econômica para enfrentar a crise do novo coronavírus. Os representantes pedem que os bancos entrem na “corrente” para o enfrentamento “sem mesquinhez”.
Os estabelecimentos comerciais não essenciais fecharam as portas nos últimos dias para cumprir determinações estaduais de isolamento social. Muitos restaurantes em São Paulo, onde a quarentena é obrigatória, já suspenderam contratos, demitiram e deram férias a funcionários.
O setor de bares e restaurantes, que é representado nacionalmente pela Abrasel, pleiteia crédito para capital de giro, 12 meses de carência para o primeiro pagamento, taxas de juros próximas à Selic, prazo acima de 48 meses para pagamentos e prorrogação ou renegociação das operações de crédito já contratadas com juros iguais ou menores dos praticados em uma carência de 12 meses.
A solicitação é para que os empréstimos aconteçam com fundo garantidor do governo, “e não com garantias do empresário de bares e restaurantes”, e sem certidões negativas de débito.
A carta fala de desespero, de “falta de oxigênio” e pede uma “resposta imediata a todas as pessoas físicas e jurídicas, incluindo governos, que ajudaram os bancos a terem lucros vultosos, em um país com diferenças abissais”.
“Seis milhões de pessoas estão prestes a sumir dos vossos extratos bancários em muito pouco tempo. Seis milhões de pessoas em todo o Brasil que trabalhavam até dez dias nos restaurantes e bares preferidos de sua família, dos seus funcionários, dos seus fornecedores. E o risco é que estes lugares deixem de existir”, diz o documento.
Além de pedir ajuda dos bancos, o setor tem renegociado taxas e contratos com fornecedores e aplicativos de delivery, como iFood, Rappi e Uber Eats, que se tornaram o principal meio de negócios para restaurantes durante o isolamento.
O segmento também tem um pleito específico ao governo federal, segundo Percival Maricato, presidente da Abrasel em São Paulo, que é o pagamento de funcionários com recursos do seguro-desemprego.
“Se os estabelecimentos continuarem a demitir, aumenta o passivo e cai o faturamento a cada dia. Se for uma crise que durar até setembro e o governo não assumir, quebra mais de 90%, não tem como aguentar tantos meses sem nenhuma entrada”, afirmou Maricato.
Além de Abrasel nacional e paulista, assinaram a carta a ANR (Associação Nacional de Restaurantes), o Mundo MESA, a EGG (Escola de Negócios da Gastronomia) e o Movimento S.O.S. Bares & Restaurantes #nãodeixefecharaconta, criado há pouco mais de uma semana para articular saídas para a crise.
A reportagem procurou a Febraban, associação que representa os bancos, e aguarda um posicionamento.

To Top