Motivos para não deixar sua declaração Imposto Renda para última hora
Benefícios

Motivos para não deixar sua declaração Imposto Renda para última hora

1002816 25022016dsc 8578

Motivos para não deixar sua declaração Imposto Renda para última hora. Mesmo com a atual crise, o prazo para para entrega do Imposto de Renda 2020 não foi alterado (pelo menos até agora): termina no próximo dia 30 de abril. E ainda é alto o número de contribuintes que ainda não prestaram as contas com a Receita Federal. Baixe o Aplicativo Gratuito do Portal Mix Vale

O hábito frequente entre os brasileiros, deixar para preencher e enviar os dados na última hora aumentam as chances de cair na malha fina e de ter prejuízos financeiros.

Para saber os riscos aos quais o contribuinte está sujeito ao deixar para enviar a declaração no limite do prazo, o G1 conversou com alguns especialistas no assunto: o professor Claudio Sameiro, que é coordenador do curso de pós-graduação na área contábil da Universidade Veiga de Almeida e o professor Hélio Azevedo, que dá aulas de contabilidade, finanças e tributos da Faculdade Presbiteriana Mackenzie Rio.

Declaração do IR no início pode acelerar restituição(Abre numa nova aba do navegador)

Os principais riscos, segundo eles, são:

  • Enviar a declaração incompleta ou com erros
  • Não conseguir localizar documentos indispensáveis
  • Enfrentar sobrecarga do sistema da Receita Federal
  • Demorar mais para receber a restituição
  • Pagar multa

Veja abaixo o detalhe de cada um destes riscos.

Preenchimento errado da declaração

Preencher a declaração do imposto de renda é simples, mas demanda atenção redobrada, tanto para quem escolhe o modelo simplificado quanto para quem opta pelo modelo completo para relacionar todos as despesas dedutíveis do imposto. Como diz o ditado, a pressa é inimiga da perfeição e, em se tratando de imposto de renda, qualquer centavo preenchido errado, para mais ou para menos, pode levar o contribuinte à malha fina, o que o obriga a se apresentar pessoalmente ao Fisco.

O preenchimento errado pode demandar, no mínimo, que a necessidade de fazer uma declaração retificadora, aumentando o trabalho do contribuinte. Entre os erros mais comuns no preenchimento estão a divergência entre valores declarados pelo contribuinte e a fonte pagadora, o lançamento de dados em fichas erradas da declaração e a omissão de rendimentos ou valores reembolsados.

Saque do FGTS e aplicações na declaração do Imposto de Renda(Abre numa nova aba do navegador)

Não reunir toda a documentação

Antes de começar a preencher a declaração, o contribuinte deve ter em mãos toda a documentação necessária para informar com exatidão seus rendimentos, bens e despesas que podem ser deduzidas do imposto a pagar. É preciso reunir os informes de rendimento, contrato ou escrituras de compra e venda de imóveis ou automóveis, notas fiscais de escolas, de centros médicos ou de outros serviços de profissionais liberais, etc.

Se deixar para última hora, o contribuinte corre o risco de não encontrar algum documento indispensável e não ter tempo hábil para solicitar uma segunda via, por exemplo. Isso também pode impactar em prejuízo financeiro, já que a falta de documentação comprobatória de uma despesa impede o contribuinte de deduzir valores significativos do imposto a pagar – despesas médicas e hospitalares, por exemplo, têm dedução do valor integral.

Problemas tecnológicos

O envio da declaração é feito pela internet. Quanto mais próximo do fim do prazo, maior é a demanda dos sistemas da Receita Federal. Assim, na reta final, o contribuinte pode ser surpreendido pela sobrecarga do sistema e não conseguir concluir a entrega da declaração.

Há também outros imprevistos tecnológicos aos quais todos estão sujeitos: falha na conexão à internet, interrupção do fornecimento de energia elétrica ou até mesmo algum tipo de defeito no computador que impeça o seu uso.

Recebimento da restituição

A análise das declarações pela Receita Federal é feita por ordem de entrega. Assim, quem declara por último, recebe por último uma eventual restituição. O calendário para pagamento da restituição em 2020 vai de maio a setembro. Veja as datas de liberação:

  • 1º lote: 29 de maio de 2020
  • 2º lote: 30 de junho de 2020
  • 3º lote: 31 de julho de 2020
  • 4º lote: 31 de agosto de 2020
  • 5º lote: 30 de setembro de 2020

Pagamento de multa

Sendo obrigado a declarar o imposto de renda, o contribuinte que perde o prazo para envio está sujeito ao pagamento de multa que varia entre o valor mínimo de R$ 165,74 a 20% do valor do imposto devido.

Além do prejuízo financeiro, o contribuinte fica com o CPF “sujo”, o que pode lhe impedir de empréstimos, tirar passaportes, obter certidão negativa para venda ou aluguel de imóvel e até prestar concurso público até a regularização da situação.

Empréstimo Consignado do INSS com juros menor(Abre numa nova aba do navegador)

To Top