Presidente do BB diz que ciência médica é tão imprecisa quanto a econômica
Últimas Notícias

Presidente do BB diz que ciência médica é tão imprecisa quanto a econômica

portalmixvaleultimasnoticias1200 (1)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Mesmo fazendo parte do grupo mais vulnerável ao coronavírus, o presidente do Banco do Brasil, Rubem Novaes, 74, ataca governadores e prefeitos que resistem ao fim do isolamento e à retomada das atividades. Segundo ele, apesar das medidas já tomadas pela equipe econômica, “nada corrige uma depressão provocada por decretos”.
Economista de formação liberal, ele defende o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) que, contrariando as indicações das autoridades médicas e sanitaristas do país, vai contra a posição do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, e prega o fim da quarentena.
Para Novaes, “a ciência médica é tão ou mais imprecisa que a ciência econômica” e no momento a ciência econômica indica que permanecer em isolamento horizontal pode provocar efeitos piores que o da própria pandemia.
Ele afirmou ainda que períodos de crise “assanham os piores instintos intervencionistas”, mas considera que há chances de reversão do quadro econômico, desde que a atividade volte à normalidade e as reformas sigam no Congresso.
O executivo respondeu às perguntas da reportagem pelo Whatsapp. Não houve réplica.

LEIA A ENTREVISTA:

PERGUNTA – A equipe econômica previu um crescimento de 0,02% do PIB neste ano com possibilidade de recessão no segundo semestre. Qual é o cenário que o Banco do Brasil traçou para a economia pós-coronavírus?
RUBEM NOVAES – No momento, é impossível traçar um cenário e se fixar nele. Mudamos o humor constantemente dependendo dos relatórios do coronavírus [divulgados pelo Ministério da Saúde] e das restrições à produção e ao comércio impostas por governadores e prefeitos.

PERGUNTA – As medidas tomadas pelo governo são suficientes?
RUBEM NOVAES – Nada será suficiente se governadores e prefeitos insistirem em prolongar o lockdown (isolamento total). As medidas anunciadas pelo governo representam importante alívio para os mais atingidos, mas nada corrige uma depressão imposta por decretos.

PERGUNTA – A resistência do presidente Jair Bolsonaro às determinações do Ministério da Saúde e a fatos científicos no tratamento do coronavírus podem comprometer a credibilidade do país?
RUBEM NOVAES – Vamos esclarecer o seguinte, a ciência médica é tão ou mais imprecisa que a ciência econômica. E a ciência econômica nos indica que, a permanecer o lockdown imposto por governadores e prefeitos por muito tempo, teremos uma segunda onda econômica talvez maior que a onda médica. Não se pode combater um problema criando outro ainda maior.

PERGUNTA – O país mergulhou em uma recessão entre 2014 e 2016 e demoramos mais de dois anos para a retomada. Vamos demorar mais para sair da crise desta vez?
RUBEM NOVAES – Na época, a política econômica era desastrosa e o país estava tomado pela corrupção. Agora, agentes econômicos confiam na condução do ministro Paulo Guedes (Economia) e na excelente equipe ministerial escolhida pelo presidente Bolsonaro. Passado esse momento crítico, as reformas continuarão, restabelecendo a confiança do empresariado.

PERGUNTA – Paulo Guedes conseguirá manter seu plano liberal de impulsionar a economia sem assistencialismo ou estímulo ao consumo, tradição na economia brasileira?
RUBEM NOVAES – A história nos ensina que momentos de crise assanham os piores instintos intervencionistas. Mas as convicções liberais do ministro Guedes são inabaláveis. Quem sabe ele não faz do limão uma limonada?
O Banco Central tomou medidas que injetaram mais liquidez em um mercado já com sobra de capital próprio para empréstimos. Não teria sido melhor resolver as questões de risco ao sistema de crédito?
O programa voltado ao financiamento das folhas de pagamento de pequenas empresas mostra que o governo está disposto a correr riscos junto com o setor bancário. Outras medidas do BC estão sendo concebidas também na linha de absorção de risco pelo governo.

PERGUNTA – Quanto do reforço de crédito anunciado chegará, efetivamente, ao tomador que neste momento precisa de dinheiro para arcar com redução de salário (caso das pessoas físicas) ou capital de giro (empresas)?
RUBEM NOVAES – O reforço do crédito está acontecendo. Só o BB já prorrogou dívidas de pequenas empresas e pessoas físicas no montante de R$ 60 bilhões.

PERGUNTA – Como os bancos (e o BB particularmente) podem atender a esse público que não tem como oferecer garantias?
RUBEM NOVAES – Quando rolamos dívidas, por exemplo, não exigimos novas garantias.

PERGUNTA – Qual o pior dano que essa crise causará?
RUBEM NOVAES – Mortes pelo vírus e infortúnio para os desprotegidos que perdem empregos e a capacidade de gerar renda.

To Top