André Mendonça volta ao radar para Ministério da Justiça após impasse de Bolsonaro, dizem fontes
América Latina

André Mendonça volta ao radar para Ministério da Justiça após impasse de Bolsonaro, dizem fontes

André Mendonça volta ao radar para Ministério da Justiça após impasse de Bolsonaro, dizem fontes

Por Ricardo Brito e Lisandra Paraguassu

BRASÍLIA (Reuters) – O ministro da Advocacia-Geral da União, André Mendonça, voltou ao radar para ocupar o Ministério da Justiça após um impasse na escolha que o presidente Jair Bolsonaro faria para a Subchefia de Assuntos Jurídicos (SAJ) da Presidência, cargo que faz a revisão final de atos presidenciais, afirmaram à Reuters duas fontes com conhecimento do assunto nesta segunda-feira.

Após reuniões no fim de semana, Bolsonaro chegou praticamente a bater o martelo para levar o ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Jorge Oliveira, para a pasta da Justiça, em substituição do ex-juiz federal Sergio Moro, que pediu demissão do cargo na última sexta-feira.

Contudo, o presidente desistiu de indicar Jorge Oliveira para o outro ministério após não encontrar alguém de confiança pessoal para comandar a SAJ. O titular da Secretaria-Geral, que acompanha o presidente há anos em sua carreira política, acumulava os dois postos, disse uma das fontes.

Outro receio era de que a escolha de Oliveira para a pasta da Justiça pudesse desencadear ações na Justiça para barrá-la, dada a proximidade dele com Bolsonaro, reforçou essa fonte.

A preocupação seria que deslocar o ministro da Secretaria-Geral para a pasta da Justiça poderia ser visto como uma tentativa do governo de tentar interferir na Polícia Federal –justamente o que Moro acusou Bolsonaro de tentar enquanto esteve à frente do cargo.

A mudança de rota, discutida em reuniões nesta segunda, fez Bolsonaro voltar sua preferência ao chefe da AGU. Inicialmente, Mendonça foi um dos principais nomes cotados para o Ministério da Justiça. “Ele está no radar”, disse outra fonte, após as negociações durante o dia.

Em conversa com jornalistas no início da noite no Palácio da Alvorada, o presidente avaliou que Mendonça é um “bom nome” para o cargo e que haverá uma “surpresa” na escolha para a pasta da Justiça.

“Vocês vão ter uma surpresa positiva, tem dois nomes postos à mesa, o Jorge e outro. Eu não vou falar porque, se muda, vão falar que eu recuei”, disse Bolsonaro, ao avaliar que busca um nome com capacidade de dialogar com outros Poderes e que tenha “boa entrada no Supremo, no TCU, no Congresso”.

O presidente sinalizou na entrevista que a nomeação deve ser feita nesta terça-feira.

Uma fonte do Supremo disse que André Mendonça poderia ser um bom nome para pacificar o Ministério da Justiça –após a conturbada saída de Moro– e que poderia ir para a corte futuramente. Mendonça é um dos cotados para ser indicado ao STF por Bolsonaro na vaga da aposentadoria compulsória do decano Celso de Mello, em novembro.

“É um nome técnico e respeitado”, disse essa fonte.

tagreuters.com2020binary_LYNXNPEG3R001-BASEIMAGE

To Top