Empréstimos a empresas cresceram 28,2% em março, mas caíram 11,4% para as famílias
Últimas Notícias

Empréstimos a empresas cresceram 28,2% em março, mas caíram 11,4% para as famílias

portalmixvaleultimasnoticias1200 (1)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – Os bancos emprestaram 28,2% a mais às empresas em março, enquanto as novas concessões às famílias tiveram queda de 11,4%, segundo dados do Banco Central divulgados nesta terça-feira (28). Em razão da crise gerada pela pandemia do novo coronavírus, grandes empresas se anteciparam e tomaram linhas pré-aprovadas para fazer caixa, o que pode explicar a alta no mês passado.
De acordo com dados semanais divulgados pela autoridade monetária, entre 16 e 20 de março, o volume de concessões para empresas, que vinha entre R$ 20 bilhões e R$ 40 bilhões, aumentou para R$ 52 bilhões. O ritmo se manteve na semana seguinte (23 a 27 de março), com R$ 52,1 bilhões em novos financiamentos.
Nas duas semanas posteriores (30 de março e 10 de abril), as concessões alcançaram patamares mais baixos, com R$ 34,2 bilhões e R$ 32,3 bilhões, o que indica que a alta mais intensa se deu no início do avanço da pandemia no Brasil.
“As linhas pré-aprovadas são fruto do relacionamento da empresa com o banco e se aplica em modalidades como capital de giro, conta garantida e desconto de duplicatas”, explicou o chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha.
Segundo ele, com os dados disponíveis não é possível afirmar, no entanto, se esse crédito veio ou não de linhas pré-aprovadas. “Ainda assim, é importante ressaltar que, não é porque é crédito pré-aprovado que não é geração de crédito novo. Se o financiamento está disponível, mas o cliente não usa, a operação não ocorreu”, pontuou.
Recentemente o presidente do BC, Roberto Campos Neto, afirmou que, no início da crise, grandes empresas com linhas pré-aprovadas resgataram esses créditos para fazer caixa e enxugaram os recursos disponíveis no sistema financeiro.
“Da mesma forma que, quando um produto fica escasso no mercado ou numa loja, o preço sobe, acontece coisa parecida no mundo financeiro. Grandes empresas que tinham direito de pegar linhas para reforçar o seu caixa, que já tinham esse produto disponível, enxergaram um problema lá na frente, foram lá primeiro e resgataram esse dinheiro”, analisou.
Para as famílias, não houve movimento atípico nas concessões. Nas primeiras semanas do ano as concessões estavam entre R$ 10 bilhões e R$ 16 bilhões. No período seguinte às restrições, os novos empréstimos ficaram entre R$ 11 bilhões e R$ 14 bilhões por semana.
Em 16 de março, as medidas de restrição impostas pelo governo para conter a propagação do vírus foram intensificadas. Na ocasião, a autoridade monetária liberou R$ 135 bilhões dos depósitos compulsórios dos bancos, primeira medida de injeção de liquidez no sistema financeiro.
Liquidez é a quantidade de recursos disponíveis nas instituições financeiras. Quanto mais dinheiro em caixa, maior a possibilidade de aumentarem a concessão de crédito.
Os números divulgados pelo BC foram registrados na série ajustada sazonalmente, em que particularidades do período são descontadas para facilitar a comparação. No total, foram R$397 bilhões em novos créditos, com aumento de 3,5% em relação a fevereiro.
“Entre fevereiro e março, a diferença de dias úteis é significativa. Em fevereiro há o Carnaval e o mês é mais curto. Março é um mês maior, fator que superestima as concessões observadas, por isso passamos a divulgar as dessazonalizadas”, afirmou Rocha.
O estoque total de crédito cresceu 2,9% em março e ficou em R$ 3,6 trilhões, puxado pelos financiamentos tomados por pessoas jurídicas, que aumentou 6,4%. O saldo de crédito para as famílias cresceu apenas 0,3% no período.
O saldo representa todo o montante de crédito do sistema financeiro, não só novos empréstimos.
Em março, houve aumento expressivo nas concessões às empresas em capital de giro com prazos mais curtos, que subiu 148,9%, antecipação de recebíveis, 48,6% e desconto de duplicatas, 42,3% -modalidades utilizadas para fluxo de caixa.
Os adiantamentos sobre Contrato de Câmbio (ACC) tiveram o maior aumento entre as modalidades para empresas, com 297,8%. Os financiamento de exportações e importações também tiveram escalada de 265,9% e 128,7% respectivamente.
“Sobre o crescimento de concessões em modalidades de comércio exterior, em ACC principalmente, indica que as empresas aproveitaram a desvalorização cambial para anteciparem o crédito que elas tomariam ao longo do ano. Como a garantia da operação é a moeda estrangeira, se ela é valorizada, aumenta o crédito disponível nesta linha”, disse Rocha.
Para Rocha, não há empoçamento de crédito. “Na literatura econômica, o termo é usado quando a liquidez fica retida nos bancos e os recursos não são emprestados. O aumento nas concessões, além do padrão sazonal, indica que não ficou empoçado, foi ofertado como crédito e sacado pelas empresas”, avaliou.
Nesta segunda-feira (27), a Febraban (Federação Brasileira de Bancos) afirmou que os cinco maiores bancos do país liberaram R$ 266 bilhões em novos empréstimos durante a pandemia, entre contratações, renovações e parcelas suspensas, aumento de 22,2% em relação a março do ano passado. A entidade, no entanto, não informou quanto teria sido de linhas pré-aprovadas.
A taxa média de juros das operações contratadas em março diminuiu 0,4 ponto percentual em março e 2,3 pontos percentuais em 12 meses, alcançando 22,7% ao ano. “Parte desse recuo vem do aumento das concessões em ACC, que, por terem uma boa garantia, têm taxas muito baixas, em torno de 5% ao ano”, detalhou o técnico do BC.
O spread -diferença entre a taxa que os bancos pagam para captar recursos e a taxa cobrada em empréstimos- caiu 0,6 ponto percentual no mês e 0,8 ponto percentual nos últimos 12 meses.

To Top