Mulher perde emprego após caso de racismo no Central Park em Nova York
Internacional

Mulher perde emprego após caso de racismo no Central Park em Nova York

Por Barbara Goldberg

NOVA YORK (Reuters) – Uma empresa de investimentos globais, denunciando não tolerar “qualquer tipo de racismo”, demitiu uma mulher branca após um vídeo viral mostrá-la chamando a polícia para dizer que se sentia ameaçada por um homem negro que pediu educadamente que ela colocasse seu cachorro na coleira no Central Park, em Nova York. 

O vídeo provocou um clamor nas redes sociais, onde foi visto por mais de 30 milhões de vezes, e a repercussão levou a empresa Franklin Templeton a demitir a mulher, Amy Cooper, nesta terça-feira. 

“Seguindo nossa revisão interna do incidente no Central Park ontem, tomamos a decisão de terminar o contrato da funcionária envolvida de maneira imediata. Não toleramos racismo de qualquer tipo”, disse a empresa no Twitter. 

Horas antes, a empresa havia colocado a funcionária em licença administrativa. Cooper disse à WNBC que gostaria de “se desculpar sincera e humildemente” com o homem, Christian Cooper, com quem não tem parentesco. 

Ela entregou o cachorro à Organização Abandoned Angels Cocker Spaniel Rescue Inc. 

Foi o último confronto racial a viralizar no país. O Departamento de Justiça dos Estados Unidos está investigando como crime de ódio o assassinato a tiros de um homem negro que se exercitava no Estado da Geórgia por dois homens brancos. O crime também foi gravado em vídeo. 

(Reportagem de Barbara Goldberg)

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG4P283-BASEIMAGE

To Top