Monotrilho volta a funcionar após 3 meses paralisado em SP
Últimas Notícias

Monotrilho volta a funcionar após 3 meses paralisado em SP

portalmixvaleultimasnoticias1200 (1)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Após três meses paralisada, a linha 15-prata do metrô de São Paulo voltou a funcionar parcialmente na manhã desta terça-feira (2). O monotrilho, que liga as estações Vila Prudente e São Mateus, na zona leste, estava sem funcionar desde o dia 29 de fevereiro, depois que foi constatado um problema envolvendo os pneus das composições.
A volta provocou plataformas lotadas na estação Vila Prudente, que faz ligação com a linha 2-verde. Muitas pessoas se aglomeraram para entrar nas composições.
O Metrô afirma que, por enquanto, a linha está na chamada “operação monitorada”. Nessa fase, o monotrilho funciona somente entre as estações Vila Prudente e Jardim Planalto. O trecho do Jardim Planalto até o terminal São Mateus continua sendo feito somente com os ônibus do Paese (Plano de Apoio entre Empresas em Situação de Emergência), que são gratuitos.
O governador João Doria (PSDB) publicou em uma rede social que a linha deverá voltar a ter sua operação em toda sua extensão “nos próximos dias”. O Metrô não informou a data exata da reabertura.
RELEMBRE
Em fevereiro, foi constatado um problema no sistema de pneus das composições. Ao contrário do metrô convencional, o monotrilho roda sobre pneus de borracha, que, dentro, possuem uma peça de metal pesada. Uma parte dessas peças, inclusive, chegou a cair sobre a avenida Sapopemba, colocando em risco quem passava por lá.
Após a paralisação da linha 15, o Metrô convocou as empresas que integram o consórcio responsável pela construção da via para que fizessem uma inspeção e identificassem as causas do problema. O consórcio é formado pelas empresas Bombardier, OAS e Queiroz Galvão.
Em nota, o Metrô afirma que a linha 15 voltou a funcionar após a Bombardier identificar e corrigir um problema que afetou os pneus dos trens, reabrindo-a com as garantias de segurança necessárias para a operação comercial.
Segundo a companhia, “o Metrô segue cobrando o consórcio CEML – das empresas Bombardier, Queiroz Galvão e OAS” para a liberação do trecho entre Planalto e São Mateus, “com todas as condições de segurança, até 15 de junho”.

To Top