Assembleia do Rio recorrerá contra decisão de Toffoli que dissolveu comissão do impeachment de Witzel
Política

Assembleia do Rio recorrerá contra decisão de Toffoli que dissolveu comissão do impeachment de Witzel

portalmixvalegoogle

RIO DE JANEIRO, RJ (FOLHAPRESS) – A Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro) informou que irá recorrer contra a decisão do ministro Dias Toffoli, presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), que dissolveu a comissão encarregada do encaminhamento do processo de impeachment do governador Wilson Witzel (PSC).
Na segunda-feira (27), Toffoli atendeu a uma reclamação da defesa do governador, que pede que uma nova comissão seja formada. Os advogados de Witzel argumentam que a Assembleia desrespeitou a jurisprudência da corte e a lei federal que prevê o rito do impeachment para governadores.
O ministro Luiz Fux é o relator da ação, que foi encaminhada ao presidente do Supremo, responsável por decidir sobre questões urgentes durante o recesso do Judiciário.
A determinação da corte suspendeu o prazo para que Witzel entregue sua defesa à Alerj, que se esgotaria nesta quarta-feira (29).
Na reclamação apresentada ao Supremo, a defesa afirmou que a Assembleia não respeitou o princípio da proporcionalidade e que não instituiu votação para definir os membros da comissão. A Casa definiu que a comissão teria 25 membros, um de cada partido, que foram indicados pelos líderes.
“Entendo que assiste razão jurídica à tese de violação […] ao legitimar o ato de formação da comissão especial de impeachment sem a obediência à necessária configuração proporcional dos partidos políticos e blocos parlamentares e sem a realização de votação plenária dos nomes apresentados pelos líderes, ainda que de forma simbólica”, escreveu Toffoli em sua decisão.
Na manhã desta terça-feira (28) se reuniram o presidente da Assembleia, deputado André Ceciliano (PT), e a Procuradoria da Casa. Após o encontro, ficou decidido que a Alerj irá recorrer contra a decisão de Toffoli.
A Assembleia irá argumentar que o rito estabelecido pela lei federal está sendo respeitado, com a representação de todos os partidos na comissão especial e com ampla defesa do governador. Líderes partidários irão se reunir na tarde de hoje para definir a data em que será impetrado o recurso.
O processo de impeachment foi aberto em junho, com o voto favorável de 69 dos 70 deputados da Casa. O pedido é baseado em denúncias de supostos desvios por meio de contratos firmados com a Secretaria de Saúde durante a pandemia do novo coronavírus.
Segundo o Ministério Público Federal, há indícios de participação ativa de Witzel quanto ao conhecimento e ao comando das contratações suspeitas. Ao fim de maio, durante a operação Placebo, a Polícia Federal cumpriu mandado de busca e apreensão no Palácio Laranjeiras, residência oficial do governador.
Pressionado e isolado politicamente, o ex-juiz apostou na via judicial para tentar escapar do afastamento. O governador chegou a sofrer derrota no Tribunal de Justiça do Rio, que negou pedido para suspender o processo.
Para se defender do impeachment, Witzel estruturou uma forte equipe de advogados. Na área criminal, o governador é assessorado pelo advogado Roberto Podval, que teve como cliente o ex-ministro José Dirceu. Witzel também conta com os serviços de Ana Tereza Basilio e Manoel Peixinho.
Ainda assim, o governador tem sido alertado sobre o caráter político do processo de impeachment. Por isso, após assistir à desintegração de sua base na Alerj, Witzel cedeu e readmitiu na Secretaria da Casa Civil o ex-deputado federal André Moura, que tem bom trânsito com os deputados.
O governador já vinha acumulando desgastes com a Assembleia desde o início do ano. No início de junho, com a exoneração de Moura e o pedido de demissão do deputado Márcio Pacheco, então líder do governo na Alerj, Witzel assistiu ao desmoronamento de seu apoio na Casa. Dias depois, sofreu a derrota esmagadora que deu início ao processo de impeachment.

To Top