Beyoncé lança álbum visual “Black Is King” que celebra cultura negra
Celebridades

Beyoncé lança álbum visual “Black Is King” que celebra cultura negra

tagreuters com2020binary LYNXNPEG6U1TM BASEIMAGE

Por Jill Serjeant

LOS ANGELES (Reuters) – O novo álbum visual de Beyoncé, que celebra a cultura negra, foi recebido com críticas entusiasmadas nesta sexta-feira, em lançamento realizado em meio a uma tentativa de acerto de contas sobre raça e justiça social nos Estados Unidos.

“Black is King”, que reimagina a história do filme “O Rei Leão” com humanos, pretende “mudar a percepção global da palavra Black”, disse a cantora de R&B em uma mensagem de lançamento.

O trabalho do álbum, que apresenta videoclipes exuberantes celebrando a busca por identidade e a beleza negra nos tempos contemporâneos e históricos, começou há um ano.

Mas seu lançamento nesta sexta-feira ocorre após uma onda de protestos no mundo todo sobre injustiça racial, motivados por assassinatos de homens e mulheres negros nas mãos da polícia dos Estados Unidos.

A Variety classificou o álbum de “um lembrete colorido do poder e da glória dos negros, aqui na América, mas ainda mais na África”.

A hashtag #BlackIsKing estava entre as três principais do Twitter na sexta-feira. “Somos gratos a Beyoncé por esta celebração da experiência negra”, tuitou o site de cultura negra Essence.com.

A crítica do Guardian chamou o álbum visual de “canção de amor de Beyoncé para a diáspora negra” e elogiou o envolvimento de artistas africanos como Yemi Alade, Lord Afrixana e Shatta Wale.

A atriz Lupita Nyong’o, o músico Pharrell Williams e a supermodelo Naomi Campbell estão entre outras celebridades com aparições no trabalho.

Beyoncé escreveu em uma postagem no Instagram que os recentes apelos por mudanças sociais tornaram o álbum ainda mais relevante do que ela esperava quando começou a trabalhar nele.

“Black is King” foi lançado na plataforma de streaming Disney+.

tagreuters.com2020binary_LYNXNPEG6U1TM-BASEIMAGE

To Top