Tempo seco pode afetar safra de milho da UE após início positivo
Agro

Tempo seco pode afetar safra de milho da UE após início positivo

PARIS (Reuters) – O tempo quente e seco estressou os cultivos de milho na França, grande produtora do grão, e pode limitar o aumento esperado para a produção da Europa neste ano, depois que agricultores locais ampliaram o plantio do cereal.

O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA, na sigla em inglês) diminuiu nesta semana sua projeção para a safra de milho da União Europeia, citando reduções na França e Romênia –que compensaram o aumento nas estimativas para Polônia, Hungria e Itália.

A consultoria Strategie Grains também alertou que as ondas de calor e seca estão piorando as perspectivas para o cereal na França e em partes de Romênia e Bulgária, mas citou condições favoráveis na Europa Central e elevou sua estimativa mensal para 67,4 milhões de toneladas, versus 66,6 milhões anteriormente.

Na França, as condições boas/excelentes para a safra de milho despencaram 9 pontos percentuais na semana passada, para 65%, durante a onda de calor que sucedeu o mês de julho mais quente em pelo menos 60 anos, segundo a FranceAgriMer.

As condições áridas têm sido particularmente difícies para as fazendas que dependem das chuvas, em um país onde cerca de metade da área plantada com milho não possui irrigação –embora até mesmo alguns plantios irrigados tenham sido afetados pela restrição ao uso de água.

“Todo o milho não irrigado está sofrendo”, disse um operador. “A maioria das pessoas passou a ver a safra abaixo de 14 milhões de toneladas.”

Condições de seca na Ucrânia, principal fornecedora de milho da UE, que depende de importações, também afetaram as perspectivas para a safra do país.

Na Alemanha, os cultivos ainda têm boas condições e a safra deve avançar 9,2%, para 4 milhões de toneladas, segundo a associação DRV. A Polônia também deve verificar alta de 2%, a 4,6 milhões de toneladas, de acordo com a consultoria Sparks Polska.

(Reportagem de Gus Trompiz em Paris, Michael Hogan em Hamburgo e Radu Marinas em Bucareste)

tagreuters.com2020binary_LYNXNPEG7D1OA-BASEIMAGE

To Top