Bombeiros apagam últimas chamas de incêndio no porto de Beirute
Environment

Bombeiros apagam últimas chamas de incêndio no porto de Beirute

tagreuters com2020binary LYNXMPEG8A0XO BASEIMAGE

BEIRUTE (Reuters) – Bombeiros libaneses e helicópteros do Exército apagaram nesta sexta-feira as chamas remanescentes de um grande incêndio na região portuária de Beirute que havia se iniciado no dia anterior, apenas um mês depois que uma gigantesca explosão devastou o local e a área ao redor.

O incêndio de quinta-feira, que as autoridades disseram ter sido causado por soldagem durante o trabalho de reparo após a explosão do mês passado, cobriu vários distritos de Beirute com uma enorme nuvem de fumaça preta e acre, causando pânico em uma cidade ainda no limite após a explosão.

A explosão de 4 de agosto exacerbou os desafios em um país que está enfrentando uma profunda crise econômica e a maior ameaça à sua estabilidade desde a guerra civil de 1975-1990.

“Ontem, só ver essa fumaça me fez sentir que não havia esperança”, disse Karim Massoud, 33 anos, em uma área residencial perto do incêndio que também foi duramente atingida pela explosão.

A defesa civil informou em um comunicado que os bombeiros apagaram as chamas na manhã desta sexta-feira após trabalharem durante a noite e estão resfriando o local para evitar que o fogo reacenda.

O presidente libanês, Michel Aoun, disse em uma reunião do Conselho Supremo de Defesa na noite de quinta-feira que o fogo pode ter sido causado por sabotagem, erro técnico ou negligência. Ele pediu uma investigação rápida.

Muitos libaneses estão frustrados por ainda não terem sido informados sobre quaisquer descobertas iniciais de uma investigação sobre a explosão do mês passado, que matou cerca de 190 pessoas e feriu 6 mil.

O governo renunciou após a explosão no porto, e o primeiro-ministro indicado, Mustapha Adib, está correndo para formar um novo gabinete no início da próxima semana e cumprir o prazo de duas semanas acordado sob pressão francesa. A formação de um governo no Líbano geralmente leva meses.

(Por Edmund Blair e Imad Creidi)

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG8A0XO-BASEIMAGE

To Top