Negociações de paz no Afeganistão abrem com apelos por cessar-fogo e direitos das mulheres
Asia

Negociações de paz no Afeganistão abrem com apelos por cessar-fogo e direitos das mulheres

tagreuters com2020binary LYNXMPEG8B0HO BASEIMAGE

DOHA (Reuters) – Representantes do governo afegão e insurgentes do Talibã se reuniram neste sábado para negociações históricas de paz com o objetivo de encerrar duas décadas de guerra que matou dezenas de milhares de combatentes e civis.

Antes das negociações cara a cara nos próximos dias, os dois lados foram instados por vários países e grupos a chegar a um cessar-fogo imediato e a alcançar um acordo que defenda os direitos das mulheres.

O governo do presidente dos EUA, Donald Trump, que está ansioso por reivindicar o fim do conflito mais longo da América enquanto busca a reeleição, expressou sua intenção de usar a ajuda como vantagem para um acordo.

A cerimônia de abertura ocorreu um dia após o 19º aniversário dos ataques de 11 de setembro nos Estados Unidos, que desencadearam seu envolvimento militar no Afeganistão.

O secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, pediu que os dois lados aproveitem a oportunidade para chegar a um acordo de paz amplo, embora reconhecendo muitos desafios pela frente.

“A escolha de seu sistema político é sua”, disse ele na cerimônia de abertura na capital do Catar, Doha. “Acreditamos firmemente que proteger os direitos de todos os afegãos é a melhor maneira de quebrar o ciclo de violência.”

O chefe do conselho de paz do Afeganistão, Abdullah Abdullah, disse que mesmo que os dois lados não cheguem a um acordo em todos os pontos, eles devem se comprometer.

“Minha delegação está em Doha, representando um sistema político que é apoiado por milhões de homens e mulheres de diversas origens culturais, sociais e étnicas em nosso país”, disse.

O líder talibã, Mullah Baradar Akhund, disse que o Afeganistão deveria “ter um sistema islâmico no qual todas as tribos e etnias do país se encontrem sem qualquer discriminação e vivam suas vidas no amor e na fraternidade”.

Pompeo alertou que o tamanho e o escopo da futura assistência financeira dos EUA ao país, que precisa fortemente de financiamento internacional, dependerão de suas “escolhas e conduta”.

O enviado especial dos EUA, Zalmay Khalilzad, disse a repórteres que prevenir o terrorismo era a principal condição, mas que proteger os direitos das minorias e das mulheres também influenciaria quaisquer decisões futuras sobre o financiamento alocado pelo Congresso. “Não há cheque em branco.”

Autoridades, diplomatas e analistas dizem que, embora colocar os dois lados na mesa de negociações tenha sido uma grande conquista, isso não significa que o caminho para a paz será fácil, especialmente com o aumento da violência em todo o país.

Os dois lados se sentaram após a cerimônia de abertura para discutir como as negociações vão prosseguir, disseram as autoridades.

Como incluir o Talibã, que rejeitou a legitimidade do governo afegão apoiado pelo Ocidente, em qualquer arranjo de governo e como salvaguardar os direitos das mulheres e das minorias que sofreram sob o domínio do grupo também são grandes desafios.

Um mês após os ataques de 11 de setembro em 2001, o então presidente George W. Bush enviou forças dos EUA ao Afeganistão para caçar seu idealizador, Osama bin Laden, um saudita que recebeu abrigo dos governantes islâmicos talibãs do país.

As negociações para mediar um acordo de paz abrangente foram um componente de um pacto de retirada de tropas assinado entre os EUA e o Talibã em fevereiro. Após meses de atraso, uma disputa sobre a demanda do Talibã para a libertação de 5.000 prisioneiros foi resolvida esta semana.

(Reportagem das redações de Kabul, Islamabad e Dubai)

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEG8B0HO-BASEIMAGE

To Top