Atrasados do INSS podem render juros aos Segurados?

108
Cartão do Cidadão saque de dinheiro
Cartão do Cidadão saque de dinheiro

Atrasados do INSS podem render juros aos Segurados? Quem aguarda o pagamento de um precatório perdeu a oportunidade de ter uma correção melhor pelo tempo que esperou até receber o valor. Isso porque, no seu último julgamento antes do recesso, o STF (Supremo Tribunal Federal) negou o pagamento de juros entre a emissão do precatório e seu efetivo pagamento a um segurado do INSS.

Segundo a maioria dos ministros da corte, apenas a correção monetária deve ser feita, com base em um índice de inflação. Para o ministro Marco Aurélio, contrário à decisão da maioria, os segurados podem receber até 9% menos.

Baixe o Aplicativo Gratuito do Portal Mix Vale e fique por dentro de mais notícias.

Quem pode acessar o novo FGTS?(Abre numa nova aba do navegador)

Diferenças
A pedido do Agora, o Ieprev (Instituto de Estudos Previdenciários) fez os cálculos de quanto é possível receber ao processar o INSS na Justiça. Os dados mostram os valores a serem pagos para quem recebeu, em junho de 2020, um precatório que foi emitido pelo Judiciário em julho de 2018.

Os valores calculados vão de R$ 63 mil a R$ 300 mil. Utilizando a regra aprovada pelo Supremo e a correção completa, conforme solicitado pelo segurado, as diferenças podem chegar a R$ 25 mil a menos. No caso dos valores menores, de R$ 63 mil, há mais de R$ 5.000 de diferença.

R$ 63 bilhões serão sacados pelos benefícios FGTS e Pis-Pasep(Abre numa nova aba do navegador)

O aposentado que aguarda o pagamento de uma RPV (Requisição de Pequeno Valor) também será afetado pela decisão. Porém, como as RPVs são pagas, em média, em até dois meses após a liberação dos valores por parte do juiz do caso, os juros do período fazem pouca diferença no valor total a ser recebido pelo segurado.

Quem pode sacar o lucro do FGTS(Abre numa nova aba do navegador)

Já o precatório é pago, pelo menos, dois anos e meio após a data de emissão do crédito. Em 2020, o pagamento dos precatórios federais foi feito a credores cujos títulos tinham sido autuados entre 2 de julho de 2018 e 1º de julho de 2019.