Cesta de consumo das famílias mais ricas registra deflação em 2020, diz Ipea
Últimas Notícias

Cesta de consumo das famílias mais ricas registra deflação em 2020, diz Ipea

portalmixvalenoticias

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – A aceleração dos preços de alimentos e outros produtos essenciais prejudicou as famílias mais pobres, que registram inflação de 1,53% na sua cesta de consumo nos oito primeiros meses do ano. O preço da cesta das famílias mais ricas, por outro lado, ficou praticamente estável, com ligeira deflação de 0,07%, por causa da queda nos preços dos serviços. Os cálculos são do Ipea (Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada).

“Evidencia-se uma pressão altista vinda dos alimentos no domicílio -que formam o grupo de maior peso na cesta de consumo das famílias mais pobres- e uma queda nos preços dos serviços, cujo alívio é bem mais intenso sobre o orçamento das famílias mais ricas”, diz a instituição no relatório “Inflação por faixa de renda – Agosto/2020”.

Em agosto, por exemplo, a alta dos alimentos e bebidas teve impacto de 0,20 ponto percentual para os mais pobres e de 0,05 ponto percentual na cesta dos mais ricos. No ano, boa parte dessas altas está concentrada em itens como arroz (19,2%), feijão (35,9%), leite (23%) e ovos (7,1%), segundo o Ipea. No mesmo mês, a queda nos preços das mensalidades escolares favoreceu as famílias de maior renda.

De acordo com o instituto, à exceção do segmento de renda mais alta, todas as demais faixas apresentam uma trajetória de inflação em aceleração em 12 meses. Para os mais ricos, o indicador está em 1,54%, para os mais pobres, em 3,20%, mais que o dobro. Nas faixas de renda intermediária, a inflação varia de 2,06% a 2,87% no período.

O estudo divide as famílias em seis faixas de renda. São consideradas com renda muito baixa aquelas com menos de R$ 1.650,50 por mês. É classificada como renda alta aquela maior que R$ 16.509,66.

To Top