Auxílio Doença do INSS: Dá para reajustar valores recebidos?
Benefícios

Auxílio Doença do INSS: Dá para reajustar valores recebidos?

Principais notícias de benefícios do Brasil - INSS – Bolsa Família – FGTS – BPC – Cadastro Único – Pis-Pasep – Loterias – Minha Casa Minha Vida – Seguro Desemprego - Aposentadoria

Auxílio Doença do INSS: Dá para reajustar valores recebidos? O trabalhador que não consegue receber o auxílio doença no posto e recorre à Justiça pode garantir atrasados maiores, assegurar o pagamento do benefício e fugir da fila do INSS, que aumentou na pandemia do novo coronavírus.

Entenda o que aconteceu na economia brasileira com a crise do coronavírus

Segundo relatório do TCU (Tribunal de Contas da União) para acompanhamento da crise gerada pela pandemia, a fila de espera dos benefícios por incapacidade aumentou 123% entre fevereiro e maio. Mais de 90% destes pedidos é de auxílios-doença.

Abono do PIS-PASEP: Acompanhe calendário da programação(Abre numa nova aba do navegador)

Com os postos fechados pelo menos até o dia 3 de agosto, o INSS está analisando documentos e exames enviados pelo segurado pelo Meu INSS. Mas, se o pedido é aprovado, o beneficiário recebe um salário mínimo (neste ano, R$ 1.045). Para quem tiver direito a um valor maior, a diferença será paga posteriormente, após a reabertura das agências e a perícia médica presencial.1 5

Quem tem direito ao auxílio doença no INSS

Judicialmente é possível pedir, por meio de antecipação de tutela, que o benefício seja integral, calculado de acordo com a média de contribuições previdenciárias do segurado. O benefício também pode ser substituído por uma aposentadoria por invalidez, se o juiz reconhecer que a incapacidade é permanente.

Em recente decisão, o STJ (Superior Tribunal de Justiça) reafirmou que o benefício, se concedido, tem que ser pago desde o dia em que o trabalhador registrou o requerimento no INSS

A resolução garante que o trabalhador seja recompensado pelo tempo de espera do benefício ao qual provou ter direito, mesmo que, na hora da concessão, ele já tenha recebido alta médica.
Para obter os atrasados, é necessário que o segurado tenha laudos médicos, exames e demais documentos do tratamento médico que comprovem o motivo do afastamento da atividade.

Antecipação de valores Auxílio Doença e BPC é prorrogada no INSS(Abre numa nova aba do navegador)

O STJ também decidiu, em junho, que o segurado que continua trabalhando enquanto aguarda decisão judicial para concessão de benefícios por incapacidade tem direito de receber retroativamente, de forma acumulada, o salário e o benefício por incapacidade.

Entenda

  • O auxílio doença é pago para o profissional que ficar temporariamente incapacitado para o trabalho
  • Para ter direito ao benefício, o segurado deve ter contribuído para a Previdência Social por, no mínimo, 12 meses
  • Se o afastamento for decorrente de acidente de trabalho, não há exigência de tempo mínimo para receber o benefício
  • Para ter acesso ao benefício, porém, é preciso passar pela avaliação de um médico perito da Previdência

Na pandemia

  • Com as agências fechadas, o INSS não está realizando as perícias médicas presenciais
  • Até o atendimento presencial ser retomado, quem solicita o auxílio doença tem o pedido e os laudos médicos analisados de forma virtual e recebe um salário mínimo, por 30 dias
  • Quem tiver direito a um valor maior do benefício vai receber a diferença depois que os postos reabrirem
  • A Justiça é, por enquanto, a única saída para receber o valor total do auxílio
  • Neste caso, é preciso fazer um pedido de antecipação de tutela, quando o juiz adianta os efeitos de uma decisão para evitar um prejuízo maior
  • No caso de um auxílio doença, o juiz pode decidir que o INSS deve começar a pagar o benefício antes de a ação ser concluída

Pagamento desde o requerimento

  • Em recente decisão, o STJ (Superior Tribunal de Justiça) reafirmou que os valores atrasados devem ser pagos desde o requerimento do auxílio doença no INSS ou da citação, no caso de quem recorreu direto à Justiça
  • A determinação consolida o entendimento da Justiça, garantindo um período maior de atrasados para quem tem o benefício por incapacidade concedido
  • Para a Justiça, fixar o início dos atrasados apenas a partir da juntada do laudo no processo judicial estimula o enriquecimento ilícito do INSS, visto que o benefício é devido justamente em razão de incapacidade anterior à própria ação judicial

INSS: como ter todos os salários no benefício?(Abre numa nova aba do navegador)

Recuperação antes da perícia

  • A fila de perícias do INSS pode dificultar a concessão do benefício
  • Se o trabalhador se recuperar antes de passar pela perícia, pode recorrer à Justiça para receber os valores que não foram pagos durante a incapacidade
  • Para conseguir esses atrasados, é necessário que o segurado tenha em mãos os laudos médicos, exames, e demais documentos do tratamento médico para comprovar o direito

Incapacidade anterior às novas regras

  • Quem conseguir comprovar na Justiça que a incapacidade ocorreu até 13 de novembro de 2019, quando a reforma da Previdência entrou em vigor, terá garantido um cálculo mais vantajoso
  • Pelas regras antigas, o benefício descarta os 20% menores salários de contribuição, que diminuem a renda do segurado
  • Além disso, para aposentadoria por incapacidade permanente, o cálculo da nova legislação corresponde a 60% do salário de benefício, com acréscimo de dois pontos percentuais para cada ano de tempo de contribuição que exceder 20 anos, no caso do homem, e 15 anos, no caso das mulheres

INSS permite incluir todos os salários no benefício?(Abre numa nova aba do navegador)

Escolher o melhor momento de entrar com uma ação

  • Especialistas recomendam recorrer direto à Justiça em caso de recurso de benefício por incapacidade
  • Quando o segurado tem o pedido negado e recorre ao INSS, o Conselho de Recursos não refaz o exame médico
  • O setor encaminha a decisão da agência para um perito administrativo, que raramente discorda do outro perito
  • Na Justiça, o segurado vai passar por uma nova perícia, que tende a ser feita por um médico especialista na doença informada

De olho nos valores

  • Se o valor da ação é inferior a 60 salários mínimos (R$ 62.700), o pedido pode ser feito ao Juizado Especial Federal e não é necessário ter advogado
  • Mas é aconselhável contar com a ajuda de um advogado especializado em Previdência
  • Se o benefício for por doença ocupacional ou acidente de trabalho, a análise será na Justiça comum
  • Já benefícios previdenciários com valor da causa superior a 60 salários mínimos, vão para a vara federal


Fontes: advogados Adriane Bramante, presidente do IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário); Priscila Arraes Reino, da Arraes & Centeno Advocacia; e Rômulo Saraiva

To Top