PT escolhe Zarattini após fracasso em encontrar mulher para vice de Tatto na eleição em SP
Últimas Notícias

PT escolhe Zarattini após fracasso em encontrar mulher para vice de Tatto na eleição em SP

portalmixvalenoticias

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Após tentar durante vários dias encontrar uma mulher para ser candidata a vice-prefeita na chapa de Jilmar Tatto, o PT recorreu ao deputado federal Carlos Zarattini para a vaga.

A decisão foi tomada após uma reunião entre Zarattini, Tatto e membros do comando de campanha, a poucas horas do fim do prazo da Justiça Eleitoral para as convenções partidárias.

O deputado, que estava relutante, aceitou o convite, especialmente após um apelo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Seu nome deverá ser formalizado pela executiva municipal do partido nesta quinta (17).

Tatto foi oficializado no sábado (12) como candidato a prefeito, mas a vaga de vice ficou em aberto. Primeiro tentou-se uma mulher negra, para dar peso simbólico à chapa como verdadeira representante da periferia e da diversidade.

A filósofa Djamila Ribeiro foi sondada, mas recusou. Militantes de movimentos populares ligadas ao partido, como Carmen Silva e Graça Xavier, ambas ligadas à causa da moradia, também foram cogitadas, mas tampouco emplacaram.

No caso dela, por ser membro do Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa Humana, o que gerou um entrave jurídico.

O PT passou então a buscar uma mulher independentemente da raça, e chegou ao nome de Selma Rocha, membro da direção do partido. Mas também houve uma questão legal envolvida, uma vez que ela é professora da USP.

Também circularam como possíveis convidados para a companhia de Jilmar nomes como o do vereador da capital Eduardo Suplicy, o da ex-primeira-dama Ana Estela Haddad e o do ex-deputado federal Vicente Cândido.

Desde o início da semana, o partido mudou novamente de estratégia e começou a cogitar um deputado para compor a chapa, com o argumento de dar mais peso político à candidatura.

Alexandre Padilha, que perdeu a disputa interna para Tatto, foi convidado, mas recusou por dar aulas de medicina numa universidade particular. Médico e ex-ministro da Saúde, ele poderia reforçar o discurso na área num momento de pandemia.

Por fim, chegou-se a Zarattini, que havia recusado uma primeira sondagem, mas finalmente cedeu. O partido resolve assim uma questão interna, já que Zarattini e Tatto ocuparam o posto de secretário de Transportes na gestão Marta Suplicy e sempre disputaram a paternidade do bilhete único.

O discurso, agora, é de dividir os méritos: Zarattini concebeu o bilhete, e Tatto o implementou.

Em seu quarto mandato como na Câmara dos Deputados, Zarattini, 61, também foi deputado estadual e vereador na capital paulista. Antes de ocupar cargos eletivos e ter funções em gestões petistas, fez parte da diretoria do Sindicato dos Metroviários de São Paulo.

A candidatura de Tatto, 55, até agora não tem empolgado o partido, nem parte considerável da esquerda e dos movimentos sociais, que têm dado apoio a Guilherme Boulos (PSOL).

A convenção que oficializou a entrada do petista na disputa municipal, no sábado (12), teve a participação virtual do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), mas o grau de envolvimento dele na campanha ainda é incerto.

Lula, que vinha sendo criticado internamente no PT pela falta de apoio explícito a Tatto, fez uma defesa enfática da candidatura, em mensagem gravada em vídeo e exibida no evento.

“A partir de São Paulo e de cada cidade desse país, vamos juntos reconstruir o nosso querido Brasil”, disse.

To Top