Auxílio Emergencial: benefício do Governo Federal reduz em 23,7% a pobreza no País

Nordeste e Norte foram as regiões com mais impactos socioeconômicos

Estudo da Fundação Getúlio Vargas (FGV) demonstra que o Auxílio Emergencial, criado para minimizar os impactos causados pela pandemia do Covid-19, reduziu a pobreza em 23,7% no País. A conclusão está disponível no estudo “Classes Econômicas e o Caminho do Meio: Crônica da Crise”, publicado no último dia 9. O benefício já atendeu 67,7 milhões de pessoas com um investimento de R$ 221,5 bilhões por parte do Governo Federal.

Segundo o estudo da FGV, 15 milhões de brasileiros saíram da linha da pobreza, ou seja, tiveram renda domiciliar per capita maior que meio salário mínimo (R$ 522,50). Foram comparados os dados até agosto de 2020 com todo o ano de 2019. As regiões mais impactadas foram o Nordeste, onde a pobreza reduziu 30,4%, seguida pelo Norte, com 27,5%. No Centro-Oeste, o índice ficou em 21,7%, no Sudeste em 14,2% e no Sul, em 13,9%.

Os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Covid-19 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) demonstram que o valor médio do Auxílio Emergencial por domicílio foi ampliado mês a mês e chegou a R$ 901 por residência em agosto. Além de diminuir a pobreza, o benefício foi capaz de evitar que 23,5 milhões de cidadãos entrassem nesta condição.

Renda única

O Auxílio Emergencial também foi reconhecido como a única fonte de renda para 4,25 milhões de domicílios brasileiros no mês de agosto. Essa informação é do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). A pesquisa revelou que a média de R$ 901 pagos por residência aos beneficiários do programa naquele mês representou ganho de renda de 132% nos lares mais pobres.

De um modo geral, os trabalhadores receberam, em agosto, 89,4% dos rendimentos habituais (2,3 pontos percentuais acima de julho). Isso representa R$ 2.132 em média, contra uma renda habitual de R$ 2.384. O Auxílio Emergencial superou em 41% a perda da massa salarial entre os que permaneceram ocupados.

Parceira tecnológica

No Auxílio Emergencial, a Dataprev é a parceira tecnológica do Ministério da Cidadania, órgão gestor de benefício. Realiza o processamento dos pedidos por meio do cruzamento das informações autodeclaradas pelos cidadãos, no portal ou aplicativo, com os dados das bases oficiais disponíveis no momento da análise.

O trabalho é feito a partir das regras definidas pela Pasta para atender à Lei n. 13.982, de 2 de abril de 2020, e também a MP n. 1000, de 2 de setembro de 2020.

Os processamentos são sequenciais e definidos pelo Ministério da Cidadania, assim como as demais parcelas, autorização e cancelamentos de pagamentos. A Dataprev atua no reconhecimento do direito ao benefício, o que significa a identificação antes da primeira parcela.

*Com informações do Ministério da Cidadania