Greca diz que não há manual para pandemia e compara Curitiba à Europa

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) – O prefeito de Curitiba e candidato à reeleição, Rafael Greca (DEM), disse que o “vai e volta” de decretos liberando e fechando o comércio durante a pandemia do novo coronavírus na capital paranaense é algo que aconteceu em todo o mundo.

“Não pretendo ser melhor do que o resto do mundo’, disse ele durante sabatina promovida pela Folha de S.Paulo em parceria com o UOL, transmitida nesta sexta-feira (16).

“A pandemia não tem manual, nós vamos calibrando e ajustando as coisas dentro das necessidades”.

“Não troco votos por vidas, o vai e vem [da reabertura] afligiu a senhora [Angela] Merkel, na Alemanha, o primeiro-ministro da Inglaterra, sua santidade o papa Francisco e o primeiro-ministro da Itália, ou da Espanha ou de Portugal”, disse Greca às repórteres Ana Carla Bermúdez, do UOL, e Katna Baran, da Folha de S.Paulo.

EDUCAÇÃO

Sobre o acréscimo de alunos da rede particular de ensino para rede pública de Curitiba, o prefeito afirmou “não ter problema com isso”.

“Nós não temos medo dos alunos que vêm da rede particular, temos 145 mil alunos, agora 147, 150 mil, não temos problema, temos vagas na educação infantil e na educação regular sobrando”, disse o atual prefeito. “A pandemia não é o caos, do ponto de vista educacional”, disse.

Ele afirma que a secretária de educação já montou um programa pedagógico para recuperação desse ano ‘singular’. Segundo o candidato, no próximo ano, as aulas até o 9º ano terão conteúdo do ano letivo, com acréscimo do conteúdo do ano anterior, para recuperar o ensino do aluno que condizia com o ano de 2020.

“Recapitulação do ano da pandemia, e o ano novo que vai nascer”, disse. Sobre a volta às aulas, ele afirma não ter ansiedade, mas não foi claro se a retomada das aulas presenciais estaria condicionada à vacina. “Não tenho pressa de abrir as escolas, não tenho cara de Herodes, não vou matar inocentes”, disse.

LÍDER

Líder da última pesquisa Ibope com 47% das intenções de voto, Greca disse que está trabalhando para não haver segundo turno. Questionado se já considera que ganhou, disse que, aos 64 anos, ninguém faz oba-oba. “Mas, a cada dia que passa, o tempo dos meus adversário é menor”.

TRANSPORTE

Uma das propostas do atual prefeito, para seu governo em curso, era o fim do subsídio à passagem de ônibus. Sobre o assunto, Greca afirmou que “se teve uma ilusão sobre viver sem subsídio, hoje já não tem”.

“Nós vamos continuar com crença no BRT, no transporte coletivo”, disse. “Eu fujo da tentação de satanizar as empresas de ônibus”, completou. Questionado sobre reclamação do setor de transporte público sobre fuga de passageiros, Greca afirmou: “A pandemia, de fato, diminuiu o número de passageiros por dia e criou um desequilíbrio nos contratos de transporte coletivo”.

Para 2021, Greca falou sobre a implementação de ônibus elétricos e terminais integrados à aplicativo que informará os melhores modais e rotas.