Juros: temor fiscal se sobrepõe ao exterior positivo e taxas adotam viés de alta

Os juros futuros abriram esta sexta-feira, 16, em baixa, mas em seguida renovaram sucessivas máximas e por volta das 9h25 tinham viés de alta, alinhados também ao movimento do dólar ante o real. “Leilão de ontem não foi considerado bom e mercado segue com temor dos vencimentos da dívida no primeiro quadrimestre do próximo ano, em torno de R$ 600 bilhões”, diz o sócio-diretor da Wagner Investimentos José Faria Júnior. Segundo ele, o mercado começa a ficar cada vez mais preocupado também com a inflação. Em segundo plano fica o IGP-10 de outubro. Às 9h24, o DI para janeiro de 2027 subia a 7,54%, de 7,53% no ajuste de quinta-feira. O DI para janeiro de 2023 ia para 4,72%, de 4,69%, enquanto o vencimento para janeiro de 2022 estava em 3,34%, de 3,31%.