Auxílio Emergencial

Auxílio emergencial negado pode ser contestado até dia 2

Auxílio emergencial negado pode ser contestado até dia 2. O trabalhador informal que teve o auxílio emergencial residual de R$ 300 negado pelo governo tem até segunda-feira (2) para contestar o corte do benefício pago na pandemia de Covid.

Segundo o Ministério da Cidadania, a contestação deve ser feita no site da Dataprev (empresa de tecnologia do governo federal). O cidadão deve acessar a página do órgão (portal.dataprev.gov.br), clicar em “Consulte a sua situação do auxílio emergencial” e informar dados como CPF, nome completo, nome da mãe e data de nascimento.

Depois de digitar os dados, o trabalhador deve clicar no quadro em que se lê “Não sou um robô” e ir em “Enviar”. Será informado o motivo pelo qual as demais parcelas foram negadas.

Auxílio emergencial
SANTOS, SP, 22.06.2020 – AUXÍLIO-EMERGENCIAL – A Caixa segue nesta semana com o pagamento da terceira parcela do auxílio emergencial para os beneficiários do Bolsa Família. As datas para o pagamento da terceira parcela para o demais aprovados devem ser definidas nesta semana. A Controladoria-Geral da União e o Ministério da Cidadania disponibilizaram a relação completa dos beneficiários, com filtros por estados, municípios e os valores recebidos. (Foto: Guilherme Dionizio/Folhapress)

De acordo com as regras criadas pelo Ministério da Cidadania, a contestação da resposta negativa vale para informais, MEIs (microempreendedores individuais), desempregados e contribuintes do INSS que se inscreveram pelo aplicativo Caixa | Auxílio Emergencial ou pelo site auxilio.caixa.gov.br e para trabalhadores que já estavam inscritos no CadÚnico do governo federal.

A medida não vale para os beneficiários do Bolsa Família. Para estes cidadãos, será aberto um novo prazo para fazer a contestação caso não estejam recebendo e julguem ter direito.

Liberado a partir de abril por iniciativa do Congresso, o auxílio emergencial de R$ 600 foi pago por cinco meses. Inicialmente, seriam três parcelas, mas o governo prorrogou a medida.

Em setembro, foi publicada a medida provisória 1.000, garantindo mais quatro parcelas do auxílio, agora chamado de residual ou extensão, no valor de R$ 300. Segundo as novas regras, nem todos que receberam os R$ 600 vão ganhar os R$ 300. Além disso, não serão pagas mais quatro parcelas a todo mundo.

O número de parcelas depende de quando o cidadão começou a receber o auxílio. Quem teve a renda paga em julho só terá mais uma parcela dos R$ 300.

To Top