Ministério da Saúde diz que deve comprar vacina da Pfizer após registro na Anvisa
Brasil

Ministério da Saúde diz que deve comprar vacina da Pfizer após registro na Anvisa

Por Ricardo Brito

BRASÍLIA (Reuters) – O Ministério da Saúde informou nesta terça-feira que a compra da vacina contra Covid-19 da farmacêutica Pfizer deve ocorrer à medida que os ensaios clínicos apontarem “total eficácia e segurança” dos insumos e após o registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Representantes do ministério receberam nesta terça executivos da Pfizer, em uma das ações do órgão para tentar “garantir, o quanto antes, uma vacina segura, eficaz, em qualidade e quantidade, para a população brasileira”, de acordo com nota da pasta.

“O objetivo é conhecer os resultados dos testes em andamento e as condições de compra, logística e armazenamento oferecidas pelo laboratório. A aquisição dos imunizantes deve ocorrer à medida em que os ensaios clínicos apontarem a total eficácia e segurança dos insumos e o registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) for realizado”, informou o ministério.

No início da semana passada, após a farmacêutica norte-americana e a empresa alemã BioNTech terem anunciado que seu imunizante apresentou eficácia de pelo menos 90% em seus testes, o ministério afirmou que todas as vacinas com estudos avançados no mundo estavam sendo analisadas para possível aquisição.

Segundo o presidente da Pfizer no Brasil, Carlos Murillo, a empresa está mantendo negociações com o governo brasileiro com vistas a possibilitar a chegada ao país da vacina contra Covid-19 em desenvolvimento pela farmacêutica no primeiro trimestre do ano que vem.

Até o momento, o governo do presidente Jair Bolsonaro vinha apostando principalmente na vacina desenvolvimento pela Universidade de Oxford em parceira com o laboratório AstraZeneca, e já assinou um acordo para compra do imunizante e futura transferência de tecnologia para produção nacional pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

No comunicado desta terça-feira, o ministério disse que estão previstas, ainda nesta semana, reuniões com representantes de outras três empresas farmacêuticas que desenvolvem vacinas em estágio avançado: Janssen, da Johnson & Johnson; Instituto Gamaleya (Sputinik V) e Bharat Biotech (Covaxin), da Índia.

“A pasta deve apresentar, em breve, o plano de imunização da população brasileira contra a Covid-19. A previsão é que a primeira remessa de vacinas já esteja disponível no primeiro semestre de 2021 e contemple inicialmente o grupo de risco da doença, que serão definidos pelos aspectos epidemiológicos, de eficácia e de segurança da vacina a ser utilizada”, finalizou o ministério no comunicado.

Em julho, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que o Brasil estava em negociações para comprar outra candidata a vacina contra Covid-19, desenvolvida pelo laboratório norte-americano Moderna. Nesta semana, a empresa anunciou que sua vacina é 94,5% eficaz.

Contudo, a pasta não anunciou por ora qualquer novidade em relação a tratativas para a aquisição imunizante da Moderna.

Além das vacinas tratadas pelo Ministério da Saúde, o Instituto Butantan, ligado ao governo de São Paulo, tem acordo com a chinesa Sinovac para testagem e produção nacional da vacina em desenvolvimento CoronaVac.

tagreuters.com2020binary_LYNXMPEGAG1V3-BASEIMAGE

To Top